Separatistas ameaçam impedir OSCE de chegar a local onde avião caiu na Ucrânia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Pró-russos acusam equipe de servir aos interesses dos EUA e de Kiev; peritos têm dificuldade para chegar ao local do acidente

Reuters

Rebeldes no leste da Ucrânia acusaram a Organização para Cooperação e Segurança na Europa (OSCE) de servir aos interesses dos Estados Unidos e do governo ucraniano nesta terça-feira (29), e ameaçaram proibir a presença dessa entidade, voltada para a segurança e os direitos humanos, no local da queda de um avião da Malásia.

Hoje: Para Rússia e EUA, confronto perto do local onde voo malaio caiu deve parar

Reuters
Mulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia


Mais cedo: Combates no leste da Ucrânia deixam ao menos 19 mortos

A autoproclamada República Popular de Donetsk disse em um comunicado por email que iria suspender a cooperação com a OSCE, até o momento a principal entidade encarregada da negociação pelo acesso de peritos internacionais ao local da queda do avião.

"Desde o início a OSCE não tem sido uma parte neutra e tem agido de acordo com os interesses da Ucrânia", diz a mensagem. "A OSCE, como se revelou, é uma estrutura totalmente controlada pelos Estados Unidos." A OSCE não fez comentários de imediato.

Peritos internacionais, incluindo a OSCE, bem como a polícia australiana e holandesa, já estavam enfrentando dificuldades para chegar ao local com a finalidade de recolher partes de corpos e investigar a derrubada do avião.

Ontem: 'Explosiva descompressão maciça' derrubou avião da Malaysia Airlines, diz Kiev

Combates violentos em uma área mais ampla nos arredores impediram nesta terça-feira os peritos de chegarem ao local pelo terceiro dia seguido, enquanto o governo ucraniano e os rebeldes pró-Rússia acusam um ao outro pelo bloqueio do acesso.

Atirador protege área onde caiu Boeing 777 da Malaysian Airlines (24/7). Foto: ReutersGuardas de honra levam caixão de uma das vítimas do voo malaio abatido na Ucrânia no aeroporto de Kharkiv (23/7). Foto: ReutersRebeldes fazem guarda enquanto monitores da Osce checam destroços do voo abatido na Ucrânia (22/7). Foto: ReutersEquipes resgatam corpos em meio aos escombros de avião que caiu na Ucrânia (21/7). Foto: APPeter Van Vilet, líder da equipe holandesa de investigações forenses, sai de vagão após inspecionar trem refrigerado na Ucrânia (21/7). Foto: APLíder separatista Aleksander Borodai, ao centro, entrega caixas-pretas do voo MH17a Mohamed Sakri (D.), da Malásia (21/7). Foto: Maxim Zmeyev/Reuters/NewscomBoa parte das cidades da Holanda tiveram o sábado (19) marcado por homenagens aos 193 cidadãos mortos em queda de avião na Ucrânia (19/7). Foto: AP PhotoReprodução de vídeo divulgada por Kiev nesta sexta (18/7) supostamente mostra caminhão carregando lançador de míssil Buk usado para abater avião malaio. Foto: ReproduçãoA malaia Siti Dina chora após ver o nome da filha na lista de passageiros a bordo do voo MH17 da Malaysia Airlines em aeroporto de Sepang, Malásia (18/07). Foto: ReutersHomem (azul) cuja família estava a bordo do voo MH17 consola outro que tinha acabado de chegar com a esposa para confirmar mortes (18/07). Foto: ReutersMulher reage a notícias sobre a queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia no aeroporto internacional de Kuala Lumpur em Sepang, Malásia (18/07). Foto: APParentes de passageiros a bordo do voo malaio que caiu na Ucrânia chegam a ao aeroporto internacional de Kuala Lumpur, Malásia (18/07). Foto: ReutersReação de uma mulher em frente a embaixada holandesa em Moscou, Rússia (18/07). Foto: Reuters'Nós sentimos muito, muito, muito. É uma vergonha terrível', diz mensagem deixada em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersGaroto deixa flores em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersMembros do Ministério de Emergência ucraniano procuram corpos perto do local onde avião malaio caiu na Ucrânia (18/07). Foto: ReutersTapete cobre corpo de passageiro do voo malaio que caiu em vila perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersFlores sobre pertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersPertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersMulher afirma que parente estava no avião da Malaysia Airlines e se emociona(17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: ReproduçãoBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução TwitterBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersVídeo feito após queda do avião da Malásia que caiu na Ucrânia (17/07) . Foto: Reprodução TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: ReproduçãoAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersVisão geral mostra o local onde um Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu em Grabovo, na região de Donetsk, Ucrânia. Foto: Reuters

Mais cedo: Queda do voo malaio pode indicar crime de guerra, segundo a ONU

Os separatistas e o governo ucraniano também se acusam mutuamente pela derrubada do avião, que causou a morte de todas as 298 pessoas a bordo.

EUA e Rússia

Os chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, concordaram em uma conversa telefônica que o confronto perto do local onde um avião de passageiros malaio caiu, no leste da Ucrânia, deve ser interrompido, disse o Ministério das Relações Exteriores russo nesta terça.

Lavrov e Kerry "concordaram com a necessidade da observância meticulosa à resolução do Conselho de Segurança da ONU demandando o caráter independente e internacional da investigação e a interrupção dos combates na área em que os destroços estão localizados", disse o ministério em comunicado.

Domingo: Equipe holandesa cancela ida a local onde avião da Malásia na Ucrânia

O Ocidente diz que o voo MH17 foi quase certamente abatido por separatistas pró-Rússia usando um míssil terra-ar fornecido pela Rússia. A Rússia nega ter fornecido tal míssil.

Mais cedo, Barack Obama escreveu para Vladimir Putin a fim de informá-lo diretamente que o governo norte-americano determinou que a Rússia violou o acordo nuclear de alcance intermediário, disse o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest nesta terça.

"Isso é uma indicação de que este é um assunto que merece a séria atenção dos líderes tanto dos Estados Unidos quanto da Rússia", disse Earnest a jornalistas, se recusando a dar mais informações sobre como a Rússia violou o acordo.

Leia tudo sobre: osceucraniarussia na ucraniavoo mh17

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas