Queda do voo malaio na Ucrânia pode indicar crime de guerra, segundo a ONU

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com relatório da organização, mais de 1 mil foram mortos nos confrontos entre rebeldes e Exército de abril a julho

O incidente envolvendo o voo MH17 da Malaysia Airlines pode ser considerado crime de guerra, informou nesta segunda-feira (28) alto comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay.

Ontem: Equipe holandesa cancela ida a local onde avião da Malásia na Ucrânia

AP
Rebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07)


Dia 24: Atiradores expulsam investigadores do local onde caiu avião na Ucrânia

Pillay, oficial de direitos humanos da ONU, pediu uma investigação completa sobre a violação do direito internacional, que ocorreu quando o avião foi abatido por um míssil terra-ar sobre uma parte do leste da Ucrânia controlada por separatistas pró-russos em 17 de julho, matando todas as 298 pessoas a bordo.

Os comentários de Pillay coincidem com um novo relatório do escritório da ONU informando que 1.129 pessoas foram mortas entre meados de abril, quando a luta começou, e 26 de julho mortos, e 3.442 foram feridos durante os mais de quatro meses de combates. Além disso, mais de 100 mil fugiram da violência no local desde abril.

Dia 23: Holanda realiza cerimônia solene para receber corpos das vítimas do voo MH17

"Essa violação do direito internacional, dadas as atuais circunstâncias, pode equivaler a um crime de guerra", disse Pillay sobre o jato abatido, que autoridades dos EUA e da Ucrânia dizem ter sido derrubado por míssil lançado a partir do território rebelde, provavelmente por engano.

"É fundamental que uma investigação imediata, completa, eficaz, independente e imparcial, seja conduzida por causa desse evento", disse ela.

Nesta segunda, uma equipe internacional de polícia abandonou sua tentativa de chegar ao local do acidente do avião malaio pelo segundo dia consecutivo enquanto confrontos assolam cidade cuja estrada leva à área onde o voo foi abatido.

Com as tropas do governo intensificando seus esforços para restituir território ocupado por rebeldes separatistas pró-russos, o número de mortos aumenta de forma constante. De acordo com a ONU, mais de 1.100 foram mortos em mais de quatro meses de luta.

A delegação internacional, composta pela polícia australiana e holandesa, além de especialistas forenses, pararam nesta segunda em Shakhtarsk, uma cidade a cerca de 20 milhas (30 quilômetros) a partir dos campos onde o Boeing 777 foi derrubado.

Obama: Evidências indicam que míssil de área pró-Rússia abateu avião da Malásia

O som dos bombardeios podiam ser ouvidos regularmente a partir de Shakhtarsk e moradores foram vistos fugindo da cidade em carros. Repórteres da AP viram um prédio em Shakhtarsk ser atingido por pelo menos duas rodadas de artilharia. O objetivo da equipe de polícia é proteger a área controlada por rebeldes atualmente para que as investigações ossam começar. A visita foi cancelada no domingo em meio a preocupações de segurança.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Líder separatista: Não recebemos míssil responsável por queda do voo MH17

A Ucrânia acusou os rebeldes de adulteração de provas e de tentar encobrir seu suposto papel em abater o avião da Malaysia Airlines com míssil. Os separatistas têm negado firmemente sua responsabilidade pela derrubada do avião, que matou 298 pessoas.

Um porta-voz de segurança ucraniana disse nesta segunda que dados dos registradores de voo recuperados mostram que o avião malaio caiu devido a uma enorme e explosiva perda de pressão depois de ter sido perfurado várias vezes por estilhaços. Segundo Andrei Lysenko, a aeronave sofreu "enorme descompressão explosiva", depois de ter sido atingido por fragmentos, segundo ele, vindos de um míssil. Os gravadores de dados foram enviados para especialistas na Grã-Bretanha para serem examinados.

Em sua campanha para retomar o controle sobre o território ocupado por forças separatistas, o exército de Ucrânia porta quantidade crescente de armamento pesado. Rebeldes também têm utilizado grande quantidade de armas poderosas, muitas delas fornecidas pela Rússia, segundo os Estados Unidos e a Ucrânia. Moscou rejeita essas acusações.

Especialistas da Holanda: Caixas-pretas do voo MH17 não foram adulteradas

Vítimas

Enquanto a Rússia e a Ucrânia trocam acusações, o número de mortos tem aumentado rapidamente. O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos disse em um relatório divulgado nesta segunda que ao menos 1.129 foram mortos entre meados de abril, quando a luta começou, e 26 de julho. Segundo o relatório, pelo menos 3.442 pessoas ficaram feridas e mais de 100 mil haviam deixado suas casas. 

Pelo menos oito civis foram mortos pelos combates e bombardeios em duas cidades ocupadas pelos militantes separatistas na noite domingo (27), disseram autoridades na região devastada pela violência. Rebeldes acusam as tropas do governo de implantar artilharia contra áreas residenciais. Autoridades negam, mas também se queixam de insurgentes usando prédios residenciais como posições de tiro.

Líderes ocidentais dizem ser praticamente certo que os separatistas abateram o avião por engano, usando mísseis terra-ar fornecido pelos russos. A Rússia acusa Kiev de responsabilidade pela derrubada.

O governo ucraniano afirmou nesta segunda que suas tropas recapturaram o controle de Savur Mogila, uma localidade estratégica a 30 quilômetros de onde o Boeing da Malaysia Airlines caiu em 17 de julho.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o voo MH17

Os peritos vão tentar retomar seus esforços nesta segunda-feira para chegar ao local da queda, ainda em território sob controle rebelde. Bloqueios de estrada entre a cidade de Donetsk e o local são controlados ora pelo Exército ucraniano, ora pelas forças separatistas, que acusam uns aos outros de impedirem o acesso dos peritos à área.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: russia na ucraniarussiaucraniakievvoo mh17malaysia airlinesonucrime de guerra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas