Pontífice fala sobre centenário da Primeira Guerra e pede fim dos combates no Oriente Médio, no Iraque e na Ucrânia

Reuters

O papa Francisco fez um apelo emocionado pela paz neste domingo (27) durante seu discurso semanal de Angelus na Praça de São Pedro. Ele  pediu  que as autoridades do Oriente Médio, do Iraque e da Ucrânia busquem o caminho da paz, o bem comum e o respeito pela pessoa, “abordando cada disputa com a tenacidade do diálogo e da negociação e com o poder da reconciliação”.

Leia mais: 
Papa pede diálogo para superar crise na Ucrânia e República Centro-Africana

Papa Francisco acena durante oração do Angelus no domingo (27/7)
Reuters
Papa Francisco acena durante oração do Angelus no domingo (27/7)

Quando o pontífice argentino encerrava o seu discurso habitual para os fiéis, ele falou sobre o centenário do início da Primeira Guerra Mundial, que será lembrado na segunda-feira, e afirmou que espera que os erros do passado não se repitam.

Com a voz aparentemente emocionada, o papa saiu do script do seu discurso, para fazer um apelo direto pelo fim dos combates. "Parem, por favor! Eu lhes peço de coração, está na hora de parar. Parem, por favor!"

Camorra: Papa renova ataque à máfia em região assolada por lixo tóxico

“Que no centro de cada decisão não coloquem interesses particulares, mas o bem comum e o respeito pela pessoa. Lembrem-se que tudo está perdido com a guerra e nada se perde com a paz”, disse o pontífice aos fiéis reunidos na Praça São Pedro.

Veja imagens do conflito em Gaza:

Embora ele não tenha feito nenhuma referência direta à situação na Faixa de Gaza, os comentários vieram depois que uma trégua humanitária foi quebrada neste domingo com a retomada dos combates, em que mais de mil pessoas, a maioria civis, incluindo dezenas de crianças, foram mortas.

Leia mais sobre os conflitos:
Primeiro-ministro de Israel acusa Hamas de violar seu próprio anúncio de trégua
Avião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
Conheça o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, grupo que avança no país árabe

Francisco também lembrou que as crianças perdem a esperança de uma vida descente com a guerra. “Penso, principalmente, nas crianças, das quais se tira a esperança de uma vida decente, um futuro de mortes de crianças, crianças feridas, crianças mutiladas, crianças órfãs, crianças que têm como brinquedos materiais bélicos, crianças que não sabem sorrir", disse o papa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.