UE inclui mais 15 nomes em lista de proibição de viagens e de congelamento de bens. Moscou nega papel em queda de avião

A Rússia reagiu raivosamente neste sábado às sanções adicionais impostas pela União Europeia (UE) por causa do papel de Moscou na crise da Ucrânia, afirmando que elas vão prejudicar a cooperação em assuntos de segurança e minar o combate ao terrorismo e ao crime organizado.

Dia 16: EUA e UE impõem novas sanções à economia russa por crise na Ucrânia

Ucrânia: 230 mil abandonaram suas casas por causa dos conflitos, segundo a ONU

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia também acusou os EUA, que já impuseram suas próprias sanções contra Moscou, de contribuir para o conflito na Ucrânia por meio de seu apoio ao governo pró-Ocidente em Kiev. Também afirmou que os EUA disseminam mentiras sobre o suposto envolvimento russo na queda de um avião da Malásia na Ucrânia .

Veja fotos da presença de combatentes pró-Rússia na Ucrânia:

A UE chegou a acordo na sexta-feira para impor suas primeiras sanções econômicas à Rússia por seu comportamento na Ucrânia, mas diminuiu o escopo para excluir tecnologia do crucial setor de gás natural.

Dia 24: Atiradores expulsam investigadores do local onde caiu avião na Ucrânia

As sanções impõem proibições de viagem e congelamento de bens de 15 pessoas, incluindo os chefes do Serviço Federal de Segurança da Rússia e do departamento da agência que fiscaliza as operações internacionais e de inteligência. Quatro membros do conselho de segurança nacional russo também estão na lista.

"A lista de sanções adicionais é evidência direta de que os países da UE traçaram um caminho para reduzir completamente a cooperação com a Rússia sobre questões de segurança internacional e regional", disse o Ministério de Relações Exteriores da Rússia em comunicado.

"(Isso) inclui o combate à proliferação de armas de destruição em massa, terrorismo, crime organizado e outros novos desafios e perigos".

*Com Reuters e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.