Rebeldes pró-Rússia derrubam dois jatos ucranianos, segundo Kiev

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz do Ministério da Defesa da Ucrânia disse que pilotos foram ejetados, mas não há informações sobre o estado deles

Dois jatos militares ucranianos foram abatidos no leste, de acordo com o Ministério da Defesa do país. Os Sukhoi-25 foram derrubados por rebeldes as 13h30h, horário local, desta quarta-feira (23) sobre a área de Savur Mogila.

Hoje: Corpos das vítimas do voo MH 17 partem da Ucrânia para a Holanda

Reuters
Rebeldes fazem guarda enquanto monitores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) checam destroços do voo abatido na Ucrânia (22/07)


Ontem: Corpos de vítimas do voo MH17 chegam em área controlada por Kiev

O porta-voz do Ministério da Defesa, Oleksiy Dmitrashkovsky, disse que os aviões podem ter sido transportar até dois tripulantes cada. Os pilotos conseguiram se ejetar, de acordo com o escritório. Não há informações sobre o estado de saúde eles.

Um sistema de defesa aéreo abateu os jatos após os pilotos completaram uma tarefa perto de Dmytrivka, segundo informou assessoria de imprensa militar. A derrubada dos jatos aconteceu seis dias após o incidente fatal com voo MH17 da Malaysia Airlines, abatido no leste da Ucrânia com 298 pessoas a bordo. Todos morreram.

Terça: Líder rebelde entrega caixas-pretas de avião a especialistas da Malásia

O primeiro avião com os corpos das vítimas segue rumo a Holanda após decolar da cidade ucraniana Kharkivna nesta quarta. Autoridades ucranianas já acusaram rebeldes pró-Rússia de abater aeronaves militares na região.

Na semana que antecedeu a queda do voo MH17, autoridades ucranianas disseram que um Antonov An-26 de transporte e um Sukhoi Su-25 haviam sido derrubados. A mais recente queda destaca o conflito em curso nas regiões Donetsk e Luhansk, na Ucrânia oriental, entre insurgentes e as forças de segurança ucranianas.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Obama: Rússia tem responsabilidade sobre rebeldes na área onde avião malaio caiu

Caixas-pretas

A Grã-Bretanha informou nesta quarta ter recebido as duas caixas-pretas com gravações de dados do voo MH17.

"Nós podemos confirmar que as duas caixas-pretas do MH17 foram entregues pelo conselho se segurança holandês para o órgão de investigação de acidentes aéreos em Farnborough para a extração dos dados", disse um comunicado do Departamento de Transporte.

Um porta-voz do departamento afirmou que iria levar 24 horas para extrair as informações gravadas em cada caixa-preta, mas não sabia se os dados de cada uma delas poderiam ser baixados simultaneamente. Os dados serão depois enviados para investigadores internacionais que farão a análise.

Investigação: Especialistas holandeses analisam corpos do voo da Malásia

Sanções ucranianas contra russos

O primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatseniuk, disse nesta quarta que o governo vai impor sanções a companhias e cidadãos russos que direta ou indiretamente apoiarem “terroristas" que lutam contra tropas do governo no leste do país.

Yatseniuk disse em reunião de ministros que ele já havia estabelecido um comitê especial para trabalhar sobre as medidas punitivas.

“Eu instruo o comitê a propor, para consideração do governo, uma lista de sanções individuais e setoriais sobre cidadãos e entidades jurídicas russas que apoiam e financiam o terrorismo na Ucrânia, em 10 dias”, disse ele. O premiê não deu detalhes de quais sanções poderia adotar.

Autoridade: Presidente russo exige acesso de especialistas a local onde avião caiu

O governo central Ucraniano e o Ocidente acusam a Rússia de apoiar rebeldes separatistas no leste da Ucrânia, uma acusação negada por Moscou. Os Estados Unidos e a União Europeia impuseram uma rodada de sanções contra companhias e cidadãos russos por causa da crise na Ucrânia.

No Ocidente alguns políticos pedem sanções mais duras à Rússia após um avião da Malásia ter sido derrubado em território rebelde no leste da Ucrânia na quinta-feira, matando as 298 pessoas a bordo.

*Com Reuters, AP e CNN

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucraniarussiakievcacasmalasiavoo mh17

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas