Polícia da China e ativistas cristãos entram em confronto contra remoção de cruz

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Igrejas da província de Zhejiang foram notificadas pelo governo sobre 'combate a estruturas ilegais'; dezenas ficaram feridos

Reuters

A polícia no leste da China entrou em confronto com manifestantes cristãos que se reuniram ao redor de igreja nesta segunda-feira (21), mas não conseguiu executar uma ordem do governo para remover uma cruz do prédio, de acordo com testemunhas e relatos na Internet. Diversas pessoas ficaram feridas no confronto, que durou duas horas.

Dia 2: Manifestantes são retirados à força de protesto em Hong Kong

AP
Manifestantes exigem que a polícia desobstrua ruas durante protesto anual no centro de Hong Kong, China (1/07)


Junho: Dezenas de milhares protestam nas ruas por democracia em Hong Kong

Dezenas de igrejas na rica província de Zhejiang receberam notificações do governo nas últimas semanas exigindo a demolição de suas edificações ou a remoção de cruzes, em uma ação que, segundo o governo, consiste no combate a estruturas ilegais, informou o grupo cristão ChinaAid, que tem base nos Estados Unidos.

Grupos de defesa de direitos e cristãos dizem que as medidas do governo são perseguição religiosa e ignoram a liberdade de religião garantida na Constituição da China.

Na mais recente ação, a polícia tentou remover uma cruz da igreja do condado de Pingyang, perto da cidade de Wenzhou. Mas a congregação cercou a igreja e evitou que a polícia chegasse perto, de acordo com duas testemunhas. A Reuters não conseguiu contatar a polícia de Pingyang.

Advertência: Protestos aumentam e China alerta para limite à liberdade em Hong Kong

Zhejiang fica na costa ao sul de Xangai e há anos é conhecida como um centro da iniciativa privada.

A China tem cerca de 65 milhões de cristãos, divididos entre os que frequentam igrejas sancionadas pelo Estado e aqueles que rezam em igrejas irregulares. Grupos de direitos frequentemente acusam a China de não respeitar a liberdade de religião, alegação que Pequim nega.

Leia tudo sobre: confrontocristaoschinahong kongzhejiangreligiaocruz

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas