'Somos humanos', diz diretor de hospital cercado pelo conflito em Gaza

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

ONU diz que número de pessoas que buscam abrigo em prédios da entidade dobrou de 20.000 para 40.000 em uma noite

BBC

A operação terrestre de Israel teve início coberta pela escuridão - um soldado abriu o portão e os tanques avançaram sobre a Faixa de Gaza.

Militares eram incentivados por palavras de apoio de seu comandante.

"Seu país apoia vocês", ele disse aos seus homens. "Eu tenho confiança na capacidade de vocês. Vão em frente. Boa sorte".

Mas a nova fase de operações, inevitavelmente, trouxe uma nova onda de mortes.

No Hospital Shifa de Gaza, palco de desabafos diários de tristeza, um homem caiu desamparado contra a parede.

"Minhas duas sobrinhas foram mortas", lamentou. "As filhas do meu irmão. As filhas do meu irmão."

Israel amplia ofensiva em Gaza. Número de palestinos mortos chega a 400

Israel ocupa parte da fronteira de Gaza e mortos passam de 300, dizem palestinos

Reuters
Diretor-executivo do hospital, diz que tudo parecia tranquilo, até que bombardeio se intensificou


Perto dali, Amar Dawoud vigiava sua filha de cinco anos, Rawiya, que repousava imóvel na cama com a mão fraturada e, possivelmente, com uma fratura no crânio também.

Ele disse que pelo menos 70 pessoas tinham procurado refúgio na sua casa antes dela ser atingida.

'Somos humanos'

Pessoas estão sendo mortas e feridas. Mas elas também estão sendo forçadas a deixar suas casas. Autoridades da Organização das Nações Unidas (ONU) dizem que o número de pessoas que procuram refúgio em prédios da entidade dobrou de 20.000 para 40.000 em uma única noite.

Eu encontrei pacientes e funcionários do hospital de reabilitação Wafa abrigadas em uma clínica de Gaza.

Wafa foi atingido várias vezes na semana passada. Fica próximo da fronteira e muito perto de algumas das mais recentes atividades militares israelenses.

Basman al-Ashi, diretor-executivo do hospital, disse que tudo parecia tranquilo na quinta-feira à noite, até que o bombardeio se intensificou nas horas antes das tropas israelenses entrarem na Faixa de Gaza.

Em meio a ofensiva israelense, hospital em Gaza tem cenas de desespero; assista

Saiba mais: Entenda o atual conflito entre Israel e Hamas

Unidade de artilharia móvel israelense dispara em direção a Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersUnidade de artilharia móvel israelense dispara em direção a Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersSoldados israelenses viajam sobre tanque em área do lado de fora da Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersSoldado israelense segura projétil perto de unidade de artilharia móvel do lado de fora da Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersFumaça toma o céu após, segundo testemunhas, ataques israelenses na Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersPalestina carrega a filha enquanto foge de sua casa depois de ofensiva terrestre israelense em Rafah, sul da Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersPalestinos viajam em um riquixá após fugirem de suas casas depois de ofensiva terrestre israelense no sul da Faixa de Gaza (18/07). Foto: ReutersMoradores correm para inspecionar danos após edifício ser atingido por um míssil israelense na cidade de Gaza (18/07). Foto: APFumaça cobre o céu após ataque com mísseis israelense na cidade de Gaza, no norte da Faixa de Gaza (18/07). Foto: APMédicos palestinos tratam menina ferida na sala de emergência do hospital Shifa, no norte da Faixa de Gaza (18/07). Foto: APFumaça toma céu após ataque com mísseis israelense na cidade de Gaza, no norte da Faixa de Gaza (18/07). Foto: APTanque de Israel manobra para tomar posição ao longo da fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza (17/08). Foto: APTanque cruza para a Faixa de Gaza, na fronteira Israel-Gaza, no início de ofensiva terrestre (17/07). Foto: APTropas cruzam para a Faixa de Gaza na fronteira Israel-Gaza no início de ofensiva terrestre (17/07). Foto: APTropas israelenses depois de cruzar para a Faixa de Gaza, no início de ofensiva terrestre (17/07). Foto: AP


Com novos ataques contra o hospital, Basman decidiu que era hora de retirar todos.

Ele relembra a cena: cercado por seus pacientes, duas salvas de foguetes foram disparados de algum lugar muito perto - foguetes lançados por combatentes do Hamas ou uma das outras facções armadas que atuam em Gaza.

Os olhos de Basman fecharam por um momento em resignação, mas abriram em tom desafiador quando sugeri que as ações do Hamas poderim simplesmente piorar a situação.

"É uma resposta muito natural para os palestinos revidar, para se defenderem", insistiu.

Israel, disse, tem feito de Gaza "um campo de concentração de 1,8 milhões de pessoas".

"Sem ar. Sem terra. Sem mar. O que você está tentando dizer às pessoas? Estou colocando você na prisão e eu quero que você obedeça, coma, durma e é isso. Nós somos humanos".

Israel diz que foguetes foram disparados do hospital de Basman, uma acusação que a equipe nega completamente.

Quando eu fui lá na sexta-feira de manhã, dirigindo pelas ruas abandonadas em direção à região nordeste da Faixa de Gaza, eu vi buracos onde disparos de artilharia haviam atingido o quarto andar.

O hospital Wafa é um marco importante em uma área onde os israelenses alertaram as pessoas a sair.

Está vazio agora, e se as forças israelenses avançarem na Faixa de Gaza nas próximas horas ou dias, poderá em breve estar nas mãos deles.

Leia tudo sobre: ofensiva contra gazaisraelhamasfaixa de gazamortespalestinos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas