Queda de avião pode indicar escalada russa no leste da Ucrânia

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Avião foi alvo de 'poderoso míssil' que pode ter sido lançado da Rússia; a ação pode representar uma reviravolta nos conflitos

BBC

Um avião de transporte militar da Ucrânia foi abatido no leste do país, em meio a combates com rebeldes separatistas pró-russos, segundo autoridades ucranianas.

Ontem: Avião militar da Ucrânia cai após ser atingido por foguete

AP
Analista da BBC questiona que tipo de resposta pode Ucrânia pode dar


Violência: Combate entre rebeldes e forças militares mata ao menos três em Luhansk

Eles dizem que o avião An-26, atingido a uma altitude de 6500 metros, foi alvo de "um poderoso míssil" que "provavelmente foi atirado" da Rússia. A tripulação sobreviveu, apontam os relatos.

O analista da BBC News David Stern disse que a acusação de que as forças russas abateram um avião ucraniano pode representar uma reviravolta no conflito. Se a Rússia tiver atingido o avião ucraniano do seu território, trata-se de um ataque de ordem maior.

Ele avalia que, para os ucranianos, não responder levantaria a suspeita de que sua acusação é falsa - ou demonstraria fraqueza da força militar da Ucrânia. A Rússia não se pronunciou sobre o assunto. A Otan informou que soldados russos se acumulam perto da fronteira com a Ucrânia.

Sexta: Ataque rebelde mata 19 soldados da Ucrânia

Um oficial da Otan confirmou à BBC que eles tinham observado um aumento significativo do número de soldados russos, chegando a 12 mil. A Rússia nega apoiar e armar os separatistas e convidou os funcionários da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) para monitorar a fronteira com a Ucrânia.

“Mas o que pode fazer Ucrânia - declarar guerra à Rússia?”, questiona David Stern “O ônus da prova está com o governo ucraniano. No entanto, se eles mostrarem de forma convincente que os russos derrubaram o avião, eles também exigirão uma resposta dos aliados ocidentais da Ucrânia”, disse.

Se as autoridades ocidentais não fizerem nada, depois de terem prometido reagir a ataques russos, ele avalia que eles serão visto como traidores.

Apelo

Um comunicado no site do presidente da Ucrânia Petro Poroshenko diz que o An-26 foi abatido em uma "operação anti-terror" na região. O ministro da defesa ucraniano Valeriy Heletei disse que uma operação de busca e resgate estava em andamento para localizar os tripulantes desaparecidos.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Nove mortos: Helicóptero militar ucraniano é derrubado por rebeldes

Andriy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança e Defesa da Ucrânia, mais tarde foi citado pela imprensa ucraniana, dizendo que oito pessoas estavam a bordo do avião. Em uma mensagem no Facebook, alguns dos participantes da "operação anti-terror" da Ucrânia disseram que sabiam "sobre o destino de dois dos tripulantes" e estavam confirmando informações sobre os demais.

As forças rebeldes - que anteriormente disseram que tinha como alvo a aeronave na região de Luhansk - alegaram que havia capturado a tripulação e estavam os questionando na cidade de Krasnodon, relatos nos meios de comunicação russos dizem.

Dia 1º: Após fim do cessar-fogo, forças da Ucrânia atacam posições de rebeldes

No mês passado, os rebeldes derrubaram um avião de transporte militar da Ucrânia Il-76, que estava prestes a aterrissar no aeroporto de Luhansk, matando todos os 49 soldados e a tripulação que estava a bordo.

Na manhã desta segunda-feira, a força aérea ucraniana disse ter realizado "cinco ataques aéreos poderosos" na região, em um esforço para acabar com o bloqueio do aeroporto estratégico na cidade controlada pelos rebeldes.

Militares da Ucrânia disseram que o aeroporto tinha sido "desbloqueado" e que o Exército havia retomado várias aldeias.

Alguns ataques aéreos atingiram a cidade na segunda-feira, disse um morador de Luhansk à BBC na segunda-feira. Enquanto isso, os rebeldes afirmam ter destruído um comboio armado ucraniano perto do aeroporto.

Junho: Rebeldes pró-Rússia matam 49 ao derrubar avião de transporte militar da Ucrânia

As lutas na área se intensificaram desde o ataque rebelde com foguete perto da fronteira com a Rússia na sexta-feira, matando pelo menos 19 soldados do governo. O presidente Poroshenko prometeu retaliação ao ataque. Na segunda-feira, ele também disse que os policiais militares russos estavam lutando ao lado dos separatistas - alegação negada pela Rússia.

A tensão aumentou ainda mais no fim de semana, quando a Rússia acusou as forças ucranianas de atacarem o outro lado da fronteira, matando uma pessoa e ferindo outras duas. Pelo menos 15 civis foram mortos em Luhansk e na região vizinha de Donetsk, no domingo, segundo relatos.

Alemanha e Rússia pediram que Kiev e os rebeldes negociassem diretamente. E o Reino Unido e os Estados Unidos voltaram a pedir que a Rússia de acalmar a situação no leste da Ucrânia.

Maio: Helicóptero ucraniano é abatido por rebeldes

O primeiro-ministro David Cameron e o presidente Barack Obama destacaram que a Rússia precisa agir na busca da paz na região ou poderia enfrentar novas sanções.

Rebeldes separatistas têm lutado contra o governo em Kiev desde a declaração da independência em Luhansk e na região vizinha de Donetsk, em abril. O governo deu início a uma "operação anti-terrorista" em abril para esmagar a rebelião nas regiões orientais.

Acredita-se que mais de mil civis e combatentes morreram nos combates, que se seguiu a anexação da Crimeia à Rússia, em março.

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucranialesterussiacrimeiaobamaeuakievdonetsk

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas