Homem na casa dos 30 anos foi atingido por morteiro quando entregava comida a soldados. Quase 200 palestinos morreram

A polícia de Israel informou que um homem na casa dos 30 anos foi morto por um projétil lançado da Faixa de Gaza, a primeira morte de israelense em mais de uma semana de confrontos entre o Israel e o grupo militante Hamas.

Saiba mais: Entenda o atual conflito entre Israel e Hamas

Bombeiro israelense inspeciona local atingido por fogo de militantes em Ashdod (15/7)
AP
Bombeiro israelense inspeciona local atingido por fogo de militantes em Ashdod (15/7)

Cenário: Conheça o dia a dia da vida repleta de restrições em Gaza

O porta-voz policial Micky Rosenfeld disse que o homem entregava alimentos para os soldados nesta terça-feira no posto de cruzamento de Erez, com Gaza, quando foi atingido por um morteiro.

Quase 200 palestinos foram mortos em Gaza, território controlado pelo Hamas, desde que Israel lançou uma campanha aérea no dia 8 para parar o lançamento de foguetes contra seus cidadãos.

Hoje: Cessar-fogo fracassa e Israel retoma ataques aéreos contra Gaza

Os militantes de Gaza lançaram mais de 1,1 mil foguetes em direção a Israel nos combates. Em grande parte graças ao sistema de defesa Domo de Ferro, nenhum israelense havia sido morto até esta terça. Segundo Rosenfeld, ao menos 15 israelenses, incluindo várias crianças, ficaram feridos desde o início do atual conflito.

Entenda: Israel usa arsenal sofisticado contra foguetes palestinos obsoletos

A morte foi registrada no dia em que os confrontos foram retomados após o fracasso de uma proposta de cessar-fogo do Egito . O governo israelense aceitou a trégua, mas autoridades do Hamas a rejeitaram afirmando não terem sido consultadas sobre o plano, que retrataram como um ultimato apresentado por Israel e o Egito. O braço armado do grupo justificou não aceitar a proposta egípcia classificando-a de "rendição".

A rápida retomada da violência ilustra que será mais difícil dessa vez do que no passado negociar um término para o conflito entre Israel e o Hamas. Uma diferença-chave em relação a uma trégua de 2012 é o fato de que o Hamas não confia nos atuais governantes do Egito, que depuseram um governo amigável ao grupo militante há um ano .

Relato: 'Não vale a pena viver', diz palestino morador da Faixa de Gaza

Os atuais líderes egípcios aumentaram o bloqueio de fronteira de Gaza, incluindo impedindo viagens para dentro e fora do território. Uma amenização do bloqueio contra a faixa costeira é essencial para a sobrevivência do Hamas.

Os militantes de Gaza lançaram cerca de 125 foguetes desde o início da manhã desta terça, quando a trégua estava perto de começar. À tarde, uma rápida barragem de foguetes caiu em poucos minutos, um dos quais em uma escola vazia.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.