Explosão de carro-bomba deixa ao menos 89 mortos no Afeganistão

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ataque insurgente na Província de Paktika é o mais mortífero contra civis desde a invasão liderada pelos EUA, em 2001

Um carro carregado de explosivos foi detonado nesta terça-feira (15) enquanto passava por um mercado lotado na Província de Paktika, no leste do Afeganistão, deixando ao menos 89 mortos, de acordo com porta-voz do Ministério da Defesa. O ataque insurgente foi o mais mortífero desde a invasão liderada pelos EUA, em 2001.

Dia 8: Candidato afegão declara vitória após resultado inicial dar vantagem a rival

AP
Forças de segurança e civis afegãos caminham em local de ataque suicida na Província de Paktika

Junho: Milhares protestam no Afeganistão contra suposta fraude em eleição presidencial

"O número de vítimas pode aumentar", disse o general Zahir Azimi. "No momento, a polícia está levando todos os feridos aos hospitais", declarou o vice-diretor da polícia local, Nissar Ahmad Abdulrahimzai, à Reuters.

O militar estava fornecendo helicópteros e ambulâncias para transportar as vítimas para a capital da província, Sharan, e até agora, 42 feridos foram transferidos para hospitais, disse ele, acrescentando que a explosão destruiu mais de 20 lojas e dezenas de veículos.

Violência: Fogo amigo mata cinco soldados dos EUA no sul do Afeganistão

Ninguém reivindicou imediatamente a responsabilidade pelo ataque, e o Taleban enviou um comunicado à mídia negando seu envolvimento, dizendo que eles "Condenamos energicamente os ataques contra a população local."

Muitas das vítimas estão sob os escombros, afirmou Mohammad Reza Kharoti, chefe administrativo do distrito de Urgun.

"Foi um ataque suicida brutal contra civis pobres", disse ele. "Não havia nenhuma base militar nas proximidades."

Assista: Talebans divulgam vídeo da libertação de militar dos EUA

A explosão foi a primeira desde o acordo firmado no último final de semana entre os dois candidatos presidenciais do país intermediado pelo secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que evitou um racha perigoso na democracia conturbada do país após a disputa do segundo turno no mês passado.

Reuters
Afegãos olham local onde bomba explodiu em Cabul, Afeganistão

O local do ataque fica próximo à pouco vigiada fronteira com a região paquistanesa do Waziristão do Norte, onde os militares têm avançado nas últimas semanas sobre os esconderijos dos militantes do Taleban paquistanês, o que levou os militantes a recuarem em direção ao Afeganistão.

Abdulrahimzai disse que a polícia havia sido informada sobre o carro e procurava o veículo quando ele explodiu.

"A explosão foi tão grande que destruiu muitas lojas. Dezenas de pessoas ficaram presas sob os telhados", disse o governador distrital, Mohammad Raza Kharoti, à Reuters.

"O número de feridos vai aumentar para mais de 100 e o número de mutilados também vai subir", acrescentou.

Em outro ataque, uma bomba acionada por controle remoto explodiu à beira de uma estrada de Cabul matando dois funcionário do setor de mídia do presidente Hamid Karzai e ferindo outros dois, disse a polícia. O Taleban assumiu a responsabilidade.

Os ataques ocorrem no momento em que as tropas estrangeiras estão gradualmente se retirando do país. As Nações Unidas disseram que o número de vítimas entre civis saltou em mais de 25% no primeiro semestre deste ano, diante da escalada das hostilidades.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: afeganistaobombamortoscabulatentado no afeganistao

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas