Separatistas reivindicam ação, mas governo suspeita da Rússia. Ainda não há confirmação da morte das 20 pessoas a bordo

Um avião de transporte militar ucraniano foi derrubado nesta segunda-feira ao longo da fronteira leste com a Rússia, disse o ministro ucraniano da Defesa, Valeriy Heletey.

Hoje: Combate entre rebeldes e forças militares mata ao menos três em Luhansk

Combatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia
AP
Combatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia

Sexta: Ataque rebelde mata 19 soldados da Ucrânia

Rebeldes na região oriental, que vem sendo afetada por conflitos, imediatamente reivindicaram responsabilidade pela queda do Antonov-26, mas Heletey afirmou que o foguete pode ter sido lançado da Rússia.

Heletey informou que o avião voava a uma altitude de 6,5 mil metros, que, afirmou, era muito alta para ser atingida por armas usadas pelos separatistas que combatem o governo. Autoridades ucranianas dizem que o avião poderia estar transportando cerca de 20 pessoas, mas não houve informação imediata sobre vítimas.

Nove mortos: Helicóptero militar ucraniano é derrubado por rebeldes

Nas duas últimas semanas, o governo cortou pela metade o território capturado pelos separatistas pró-Rússia, que foram forçados a retornar a seus redutos ao redor da cidades orientais de Luhansk e Donetsk. As duas regiões, cuja população fala em sua maioria russo, declararam independência do governo em Kiev.

Os combates se intensificaram nesta segunda-feira nos arredores de Luhansk à medida que as forças do governo aumentaram seus esforços para cortar as linhas rebeldes e capturar mais território da insurgência. Um residente afirmou que a cidade estava em pânico.

Veja imagens da presença de militantes pró-Rússia e tropas russas na Ucrânia:

Dia 1º: Após fim do cessar-fogo, forças da Ucrânia atacam posições de rebeldes

Mas, apesar das informações sobre sucessos militares, o presidente ucraniano anunciou ter mais provas de que a Rússia diretamente apoiou uma insurgência separatista contra seu governo, que chega a seu quarto mês.

O Ministério da Defesa afirmou nesta segunda que as tropas do governo retomaram várias cidades ao redor de Luhansk e reabriram um corredor para seu aeroporto civil. "Por causa de ofensivas de sucesso das forças na região de Donetsk, alguns militantes tentam deixar a cidade", disse o Ministério da Defesa no comunicado. Os rebeldes, entretanto, insistiram que suas capacidades de combate continuam fortes.

Junho: Rebeldes pró-Rússia matam 49 ao derrubar avião de transporte militar da Ucrânia

Uma porta-voz da separatista República Popular de Luhansk disse à Associated Press que destruíram um comboio armado da Ucrânia na vila de Heorhiivka, a 10 km a oeste do aeroporto. Ela diz que ao menos três soldados ucranianos foram mortos no combate.

Funcionários de Defesa do governo disseram que os soldados assumiram o controle de várias áreas perto de Luhansk — incluindo Metalist, Oleksandrivsk, Bile e Rozkishne. Essas áreas residenciais ficam ao norte, oeste e sul da cidade, sugerindo que o plano do governo para formar um cordão de segurança ao redor de Luhansk alcançou resultados.

Maio: Helicóptero ucraniano é abatido por rebeldes

O líder do braço militar da insurgência, Igor Girkin, também conhecido por seu nome de guerra Strelkov, previu durante o fim de semana uma amarga batalha por Luhansk, uma cidade de 40 mil habitantes, e estimou que as forças ucranianas posicionaram até 70 tanques na ofensiva.

O governo em Kiev insistiu que os separatistas estão recebendo reforços de pessoaç e de equipamento militar da Rússia, uma acusação que Moscou sempre negou.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.