Militantes islâmicos invadem palácio presidencial da Somália

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ataque começou após explosão de um carro-bomba do lado de fora; o presidente Hassan Sheikh Mohamud não estava no local

Militantes islâmicos atacaram o palácio presidencial em Mogadíscio, capital da Somália, nesta terça-feira (8). O ataque provocou tiroteio pesado enquanto tropas do governo e a guarda tentavam expulsar milícia.

Sábado: Pelo menos cinco pessoas morrem em ataques na Somália

AP
Médico trata criança ferida em hospital após explosão de carro-bomba perto do parlamento em Mogadíscio, Somália (5/07)


Galeria: Saiba quais são as maiores organizações terroristas em atividade no mundo

Explosões podiam ser ouvidas dentro do complexo fortemente fortificado, que tem sido objeto de ataques de militantes ligados a Al-Qaeda ao longo dos anos. O ataque desta terça ao palácio presidencial foi o segundo de 2014 e a primeira ocupação ofensiva dos militantes dentro do local.

O palácio presidencial é protegido por tropas do governo e forças de paz da União Africana, que ajudaram a expulsar os militantes da Al-Shabab de suas bases na capital em 2011. No entanto, não se sabia se os soldados de paz estariam envolvidos nos combates desta terça.

Maio: Explosão de bomba na capital da Somália deixa ao menos cinco mortos

O ataque começou quando um carro-bomba explodiu do lado de fora do complexo presidencial. Homens armados entraram em seguida no palácio, conforme informou o policial Mohamed Abdi à Associated Press.

Hassan Sheikh Mohamud, presidente somali, não estava dentro do palácio no momento do ataque, mas o primeiro-ministro e o presidente do parlamento sim, de acordo com o capitão Mohamed Hussein, da polícia. Segundo Hussein, os militantes, que estavam armados com granadas e divididos em grupos, tentaram assumir o controle de diversos edifícios do complexo.

"A operação ainda está em curso", disse ele, referindo-se aos esforços para expulsar os militantes.

Não há mais detalhes imediatos sobre a ação, mas o ataque pode ter sido realizado pelo grupo extremista islâmico al-Shabab, que prometeu intensificar os ataques durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã.

Militantes do grupo já realizaram ataques mortais contra legisladores, funcionários da ONU e funcionários do governo no ano passado em um centro comercial de luxo em Nairobi, a capital do vizinho Quênia.

Os terroristas mataram quatro pessoas no sábado, quando um carro carregado de explosivos explodiu perto do edifício parlamentar em Mogadíscio.

*Com AP

Leia tudo sobre: somaliaataque terroristamilitantesmogadiscioal shabab

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas