Presidente da Autoridade Nacional Palestina, Abbas destacou o caso do adolescente palestino Mohamad Abu Jedir, de 16 anos

Agência Brasil

O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, pediu neste domingo (6) ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, a formação de um comitê internacional que investigue todos os crimes cometidos contra a população do país.

Mais cedo: Israel prende suspeitos de assassinar adolescentes palestinos

Presidente palestino Mahmoud Abbas durante reunião com o enviado das Nações Unidas no Oriente Médio Robert Serry na cidade de Ramallah, Cisjordânia
Reuters
Presidente palestino Mahmoud Abbas durante reunião com o enviado das Nações Unidas no Oriente Médio Robert Serry na cidade de Ramallah, Cisjordânia


Autópsia: Adolescente palestino assassinado foi queimado vivo

De acordo com a agência oficial da Palestina (Wafa), Mahmoud Abbas entregou neste domingo ao enviado especial da ONU para o Médio Oriente, Robert Serry, carta dirigida a Ban Ki-moon, na qual pede a investigação dos crimes e violações contra o seu povo.

No encontro com Serry, Abbas destacou o caso do adolescente palestino, de 16 anos, Mohamad Abu Jedir, cujo corpo carbonizado foi encontrado horas depois do seu desaparecimento no bairro de Shuafat, em Jerusalém. Há suspeita de que houve um assassinato por razões políticas.

Revolta: Enterro de jovem palestino é marcado por confrontos em Jerusalém

Abbas também se referiu ao suposto ataque da polícia israelense ao palestino-norte-americano Tariq Abu Jedir, de 15 anos, primo de Mohamad, posto em liberdade horas depois de ter sido detido.

“Vimos todos, nos meios de comunicação social, a cara de Tariq, deformada pelas lesões causadas por grupo de colonos criminosos, que devem ser considerados organizações ilegais e ilegítimas”, informou.

Devido aos últimos acontecimentos, e “tendo em conta a morte de crianças e mulheres nas últimas duas semanas, além das tentativas de rapto”, Abbas assegurou que pediu “proteção internacional para o povo palestino”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.