Iyad Allawi pediu ao candidato à reeleição Nuri al-Maliki que ele não concorra: "Acho que está na hora do Sr Maliki sair de cena

Reuters

 O ex-primeiro-ministro iraquiano Iyad Allawi pediu neste sábado (5) ao candidato à reeleição Nuri al-Maliki que ele desista de concorrer a um terceiro mandato sob o risco de desmembramento do Iraque.

Maliki rejeitou na sexta-feira (4) um coro de pedidos similares, desde que militantes de um grupo que agora se autodenomina Estado Islâmico invadiram terras do Iraque e declararam um califado no estilo medieval, nas terras que eles agora controlam no Iraque e na vizinha Síria.

"Acho que está na hora do Sr Maliki sair de cena", disse Allawi à Reuters, em uma entrevista em Istambul.

Leia mais: Suposto líder do EIIL exige lealdade em vídeo gravado no Iraque

Ontem: Enfermeiras indianas sequestradas no Iraque são libertadas

Ocupação: Rebeldes declaram criação de Estado Islâmico em áreas no Iraque e Síria

"Se ele continuar no poder, acho que haverá problemas significativos no país e muitos aborrecimentos. Acredito que o Iraque, no final das contas, caminhará em direção ao desmembramento, se isso acontecer."

"Decididamente, haverá mais violência, a situação de segurança vai se deteriorar", acrescentou Allawi, um xiita secular que, junto com seus aliados, ficou com 21 assentos na eleição nacional de abril. Durante sua carreira política, Allawi angariou o apoio de grande parte dos sunitas descontentes que se sentiram excluídos do poder durante o governo de Maliki.

A declaração de Maliki na sexta-feira vai complicar os esforços para formar um novo governo para unir o país dividido étnica e religiosamente, uma coisa que o Parlamento não conseguiu fazer essa semana. Isso estende o impasse político que se tornou ainda mais perigoso devido à ameaça premente à integridade territorial do Iraque.

Veja fotos da atuação da milícia no Iraque

Allawi disse que o Iraque precisa de um caminho que priorize a reconciliação e a construção de instituições, e que isso é mais importante do que a questão de quem será o próximo primeiro-ministro.

"Não é uma questão de mudança de rostos. É questão de se chegar a um acordo sobre o caminho para tirar o Iraque de onde ele está hoje para um futuro melhor. Acho que essa rota precisa incluir duas áreas importantes."

"Uma delas é a questão da reconciliação. A segunda é começar a estabelecer o terreno para construir as instituições do país", acrescentou.

Esperança

Líderes de diversas facções políticas são necessários para criar um governo de unidade nacional comprometido com este caminho, ele disse.

Allawi, que se reuniu com autoridades turcas durante a sua visita, também pediu uma reunião com os vizinhos do Iraque com o objetivo de preservar a sua unidade e evitar que o conflito se espalhe para outros lugares.

Ele também criticou a resposta do governo à insurgência, dizendo que mais ênfase deve ser colocada no trabalho de inteligência e no engajamento político com outras comunidades do Iraque, e que a atividade militar deve se focar em "ataques cirúrgicos" das forças especiais.

"A opção de usar o exército e aeronaves para atingir as províncias não consegue distinguir entre grupos civis e militares ou grupos terroristas; isso pode ser muito perigoso e se voltar contra a situação política."

Allawi disse acreditar que ainda "há esperanças" para que o Iraque sobreviva como um país unificado.

"Ainda não é tarde demais", disse. "Acredito que devemos reverter a situação, caso contrário, o país vai acabar sendo desmembrado, de um jeito ou de outro."

Há anos Allawi tem sido um crítico de Maliki, a quem acusou de agir como Saddam Hussein na tentativa de silenciar a oposição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.