EUA pedem mais segurança em aeroportos por temor de suposta bomba não detectável

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Inteligência colheu indicações de que fabricantes de bomba da Al-Qaeda no Iêmen viajaram à Síria para se unir à Frente Nusra

Autoridades de inteligência dos EUA estão preocupadas que a Al-Qaeda esteja tentando desenvolver uma nova bomba aprimorada que passaria despercebida na segurança dos aeroportos.

Leia: Saiba quais são as maiores organizações terroristas em atividade no mundo

AP
Polícia monta guarda enquanto passageiros fazem fila para passar por segurança em aeroporto de Rhein-Main, em Frankfurt, Alemanha

Entenda: Saiba mais sobre a Al-Qaeda da Península Arábica

Especial: Ataques do 11 de Setembro aumentaram rigidez da segurança aérea

âo há indicações de que tal bomba tenha sido criada ou de que haja uma ameaça específica aos EUA, mas na quarta-feira o governo de Barack Obama pediu medidas de segurança mais rígidas nos aeroportos estrangeiros que têm voos diretos para os EUA.

A inteligência dos EUA colheu indicações de que fabricantes de bomba da Al-Qaeda na Península Arábica, cuja base é o Iêmen, viajaram para a Síria para se unir aos afiliados da Al-Qaeda no país, conhecida como Frente Nusra, de acordo com uma autoridade de contraterrorismo sob condição de anonimato. As medidas aprimoradas de segurança já vinham sendo empregadas desde o mês passado, afirmou. Os aeroportos britânicos aumentaram a segurança depois das informações.

Frente Nusra: Grupo rebelde na Síria promete lealdade à Al-Qaeda

A Al-Qaeda na Península Arábica há muito tempo tem se empenhado em derrubar aviões com explosivos escondidos. A organização esteve por trás de conspirações fracassadas ou frustradas envolvendo homens-bomba com explosivos projetados para ser escondidos em roupas íntimas e outros ocultados dentro de cartuchos de impressora transportados por aviões de carga.

No ano passado, os americanos e outros do Ocidente viajaram para a Síria para se unir à luta contra o governo sírio. O temor é de que militantes com um passaporte americano ou ocidental, que, portanto, são sujeitos a uma vigilância de segurança menos restrita, poderiam transportar esse tipo de bomba para um avião americano.

Especialista: Terroristas são fascinados por aviões

A autoridade de contraterrorismo rejeitou descrever a bomba. Mas, no passado, outros funcionários levantaram preocupações em relação a explosivos não metálicos que seriam implantados de forma cirúrgica no corpo do viajante, projetados para não serem detectados por revistas manuais ou detectores de metal.

Leia tudo sobre: euaaeroportoterrorismoal qaedasíriaiêmenfrente nusra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas