Junta militar da Tailândia começa a reformar sistema eleitoral

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Medida é tomada depois de chefe militar ter anunciado na sexta que as eleições poderão ser realizadas no país no final de 2015

Reuters

O governo militar da Tailândia anunciou nesta segunda-feira que começou a fazer uma revisão do sistema eleitoral do país depois de o chefe da junta militar, general Prayuth Chan-ocha, ter anunciado em um discurso na sexta-feira que as eleições poderão ser realizadas no final de 2015.

Junho: Forças de segurança diminuem presença de ativistas nas ruas da Tailândia

AP
Policial militar tailandesa monta guarda em Bangcoc em frente de armas apreendidas durante batidas de 22 de maio a 25 de junho (29/6)

Cerco: Mais de 200 sites são censurados pela Junta Militar da Tailândia

Os militares tomaram o poder em 22 de maio, em um golpe sem derramamento de sangue após seis meses de manifestações de rua que levaram à destituição da primeira-ministra Yingluck Shinawatra. Um tribunal já havia ordenado que ela deixasse o poder, depois de considerá-la culpada de abuso de poder, em 7 de maio.

O secretário permanente de Defesa, Surasak Kanchanarat, disse que no topo da agenda dos militares estão uma reforma dos partidos políticos, a descentralização do poder e "investigações e punições para os grupos que cometeram fraude eleitoral".

Propensa a golpes de Estado: Como os militares moldaram a política na Tailândia

"Vamos conversar sobre obstáculos para uma eleição e corrupção", disse Surasak a repórteres antes de um encontro no fim da noite desta segunda-feira (horário local) com a Comissão Eleitoral.

A junta, formalmente conhecida como Conselho Nacional pela Paz e a Ordem, suspendeu a Constituição. O general Prayuth Chan-ocha disse no seu discurso na sexta-feira que uma nova e temporária Carta ficaria pronta em julho.

Ele afirmou também que permitiria que um gabinete interino seja instalado em setembro e um conselho para reformas começaria a trabalhar no texto de uma Constituição de longo prazo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas