Cartazes trazidos por ativistas classificaram Zhang Zhijun como 'bandido comunista'; ele diz respeitar a ação dos manifestantes

Reuters

A principal autoridade chinesa nas relações com Taiwan disse nesta sexta-feira (27) respeitar e compreender as escolhas feitas por seus habitantes, após ter sido recebido em meio a barulhentos protestos no sul da ilha, tradicionalmente contrário à China.

Barcos de Taiwan: Japão usa jatos d'água para dispersar protesto em alto mar

Ativistas pró-democracia, de coletes vermelhos e laranjas, brigam com  policiais enquanto Zhang Zhijun chega ao sul de Taiwan
Reuters
Ativistas pró-democracia, de coletes vermelhos e laranjas, brigam com policiais enquanto Zhang Zhijun chega ao sul de Taiwan


2010: Após protesto da China, EUA defendem venda de armas a Taiwan

Zhang Zhijun, diretor do Escritório de Assuntos de Taiwan, da China, está realizando a primeira viagem de um chefe desse órgão à ilha - uma visita marcada por uma incomum reunião com Chen Chu, membro proeminente do partido de oposição e prefeita de Kaohsiung, um porto pró-independência no sul. Os manifestantes mostravam cartazes classificando Zhang como “bandido comunista”.

Embora Chen tenha anteriormente visitado a China e se encontrado lá com Zhang, liderando os esforços do Partido Progressista Democrático nas tratativas com Pequim, tais reuniões de alto nível em Taiwan com figuras da oposição são praticamente desconhecidas.

“Sabemos que o povo de Taiwan preza muito o sistema social e o estilo de vida que escolheu”, disse Zhang após reunião com Chen. “Nós, no território principal da China, respeitamos as escolhas do povo taiuanês.”

A China acolhe pessoas de todos os partidos para ajudar a melhorar as relações com o outro lado do Estreito de Taiwan, acrescentou Zhang, classificando sua conversa com Chen como “agradável”.

Pequim reivindica a posse do território de Taiwan, a ser tomado à força caso necessário, embora ambos venham sendo governados separadamente desde que forças nacionalistas derrotadas fugiram para a ilha em 1949 no fim da guerra civil com os comunistas. A China disse que não toleraria os anseios de independência de Taiwan.

Muitos taiuaneses olham com receio, se não medo, para a China, onde o Partido Comunista permanece no poder, sem ser abalado por pedidos de liberalização política. Já Taiwan se tornou uma democracia após passar por uma transição democrática nos anos 1980.

Chen, que esteve profundamente envolvido na luta de Taiwan pela democracia, disse ter explicado a Zhang que os protestos que ele testemunhou eram parte do sistema político de Taiwan.

“Eu disse ao diretor Zhang, assim que ele chegou ao aeroporto, que ele pode ter ouvido diferentes vozes e protestos. Eu disse que essa é uma parte muito normal da democracia de Taiwan. Eu aprecio que ele possa entender isso”, disse Chen.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.