Presidente do Egito decide não interceder por jornalistas condenados

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Abdul Fattah al-Sissi disse que respeitará decisão; repórteres da Al-Jazeera foram julgados por 'apoiar Irmandade Muçulmana'

BBC

O presidente do Egito, Abdul Fattah al-Sissi, afirmou nesta terça-feira (24) que não vai "interferir" na decisão do Judiciário egípcio, que determinou a prisão de três jornalistas da rede de TV Al-Jazeera, acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana.

Ontem: Egito condena jornalistas da Al-Jazeera a sete anos de prisão

BBC
Centenas de jornalistas fizeram protesto silencioso de um minuto em frente ao prédio da BBC


Fevereiro: Jornalistas da Al-Jazeera se declaram inocentes em julgamento no Egito

"Nós devemos respeitar as decisões judiciais e não criticá-las, mesmo se os outros não compreenderem (as decisões)", disse o presidente.

Um tribunal no Cairo condenou o australiano Peter Greste e os egípcios Mohammed Fahmy e Baher Mohamed por espalhar notícias falsas e apoiar o grupo islâmico, que foi banido no país. Eles estão presos há seis meses e negam as acusações.

O processo causou indignação internacional em meio a acusações de que teria motivações políticas. Os três foram condenados a sete anos de prisão. Baher Mohamed foi condenado a mais três anos de prisão em um processo separado envolvendo a posse de armas. Eles devem devem entrar com recurso.

Crimes: Rede de TV Al-Jazeera anuncia revelações do Wikileaks

A Justiça egípcia também julgou nove acusados à revelia, incluindo três jornalistas estrangeiros, que foram condenados a dez anos de prisão.

Condenação

BBC
Mohammed Fahmy, Baher Mohamed e Peter Greste estão presos há seis meses e negam as acusações

Políticos e a imprensa em diversos países condenaram a decisão da Justiça do Egito. Em Londres, funcionários da BBC e colegas de outras empresas fizeram um protesto de um minuto em frente à sede da BBC, na região central de Londres.

"O veredicto é injusto; o caso, infundado", disse James Harding, o diretor da BBC News, durante o protesto. Harding afirmou que os jornalistas vão enviar uma carta ao presidente Abdul Fattah al-Sissi, pedindo intervenção no caso.

Em Brisbane, na Austrália, o pai de Peter Greste, Juris, disse a jornalistas que a família está "arrasada" e "chocada" com o veredicto.

Janeiro: Em corte, Morsi diz ser presidente legítimo do Egito

"Este é um momento muito obscuro, não apenas para nossa família, mas para o jornalismo em geral", disse.

Ele descreveu a decisão da Justiça egípcia como um "tapa na cara de todas as pessoas justas do mundo". "Jornalismo não é crime, senão vocês todos deveriam estar presos", disse ele aos jornalistas. O julgamento ocorre em meio a crescentes restrições ao trabalho da imprensa no Egito.

A Al-Jazeera, sediada no Catar, está proibida de operar dentro do Egito após autoridades terem acusado o canal de transmitir reportagens favoráveis ao ex-presidente Mohammed Morsi e a Irmandade Muçulmana. A Al-Jazeera nega as acusações. O Catar apoia a Irmandade e é visto com ceticismo pelo governo egípcio.

Leia tudo sobre: al jazeeracatarmohammedjornalistasal sisihardingprisaogrestelondresfahmy

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas