Abdul Fattah al-Sissi disse que respeitará decisão; repórteres da Al-Jazeera foram julgados por 'apoiar Irmandade Muçulmana'

BBC

O presidente do Egito, Abdul Fattah al-Sissi, afirmou nesta terça-feira (24) que não vai "interferir" na decisão do Judiciário egípcio, que determinou a prisão de três jornalistas da rede de TV Al-Jazeera, acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana .

Ontem: Egito condena jornalistas da Al-Jazeera a sete anos de prisão

Centenas de jornalistas fizeram protesto silencioso de um minuto em frente ao prédio da BBC
BBC
Centenas de jornalistas fizeram protesto silencioso de um minuto em frente ao prédio da BBC


Fevereiro: Jornalistas da Al-Jazeera se declaram inocentes em julgamento no Egito

"Nós devemos respeitar as decisões judiciais e não criticá-las, mesmo se os outros não compreenderem (as decisões)", disse o presidente.

Um tribunal no Cairo condenou o australiano Peter Greste e os egípcios Mohammed Fahmy e Baher Mohamed por espalhar notícias falsas e apoiar o grupo islâmico, que foi banido no país. Eles estão presos há seis meses e negam as acusações.

O processo causou indignação internacional em meio a acusações de que teria motivações políticas. Os três foram condenados a sete anos de prisão. Baher Mohamed foi condenado a mais três anos de prisão em um processo separado envolvendo a posse de armas. Eles devem devem entrar com recurso.

Crimes: Rede de TV Al-Jazeera anuncia revelações do Wikileaks

A Justiça egípcia também julgou nove acusados à revelia, incluindo três jornalistas estrangeiros, que foram condenados a dez anos de prisão.

Condenação

Mohammed Fahmy, Baher Mohamed e Peter Greste estão presos há seis meses e negam as acusações
BBC
Mohammed Fahmy, Baher Mohamed e Peter Greste estão presos há seis meses e negam as acusações

Políticos e a imprensa em diversos países condenaram a decisão da Justiça do Egito. Em Londres, funcionários da BBC e colegas de outras empresas fizeram um protesto de um minuto em frente à sede da BBC, na região central de Londres.

"O veredicto é injusto; o caso, infundado", disse James Harding, o diretor da BBC News, durante o protesto. Harding afirmou que os jornalistas vão enviar uma carta ao presidente Abdul Fattah al-Sissi, pedindo intervenção no caso.

Em Brisbane, na Austrália, o pai de Peter Greste, Juris, disse a jornalistas que a família está "arrasada" e "chocada" com o veredicto.

Janeiro: Em corte, Morsi diz ser presidente legítimo do Egito

"Este é um momento muito obscuro, não apenas para nossa família, mas para o jornalismo em geral", disse.

Ele descreveu a decisão da Justiça egípcia como um "tapa na cara de todas as pessoas justas do mundo". "Jornalismo não é crime, senão vocês todos deveriam estar presos", disse ele aos jornalistas. O julgamento ocorre em meio a crescentes restrições ao trabalho da imprensa no Egito.

A Al-Jazeera, sediada no Catar, está proibida de operar dentro do Egito após autoridades terem acusado o canal de transmitir reportagens favoráveis ao ex-presidente Mohammed Morsi e a Irmandade Muçulmana. A Al-Jazeera nega as acusações. O Catar apoia a Irmandade e é visto com ceticismo pelo governo egípcio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.