Ex-assessor de premiê do Reino Unido é condenado por grampos de jornal britânico

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mas Rebekah Brooks, sua companheira de edição no News of the World, foi absolvida em julgamento com meses de duração

Dois poderosos insiders políticos se depararam com dois destinos totalmente diferentes nesta terça-feira, com o ex-editor do extinto News of the World Andy Coulson tendo sido condenado por grampear telefones, enquanto a companheira de edição Rebekah Brooks foi absolvida depois de um julgamento de meses centrado na atividade ilegal no centro do império de jornais de Rupert Murdoch.

Promotor: Ex-editores de Murdoch acusados de grampos tinham caso amoroso

Reuters
Ex-editor do News of the World Andy Coulson chega a Old Bailey, no centro de Londres

Perfis: Conheça os principais personagens do escândalo de escutas ilegais

Hoje: Premiê britânico se desculpa por contratar assessor envolvido com grampo ilegal

Por unanimidade, um júri de 11 membros em Old Bailey, Londres, considerou Coulson, o ex-assessor de comunicação do premiê britânico, David Cameron, culpado de conspirar para interceptar comunicações por meio de grampos em caixas de mensagens de celulares. Brooks, que também foi chefe da divisão britânica de jornais de Murdoch, foi absolvida dessa acusação e das alegações de conspirar para subornar funcionários e obstruir a polícia.

Coulson não demonstrou nenhuma emoção com a veredicto. Ele pode enfrentar uma sentença máxima de dois anos de prisão pela acusação.

O julgamento de quase oito meses — um dos mais longos e caros na história legal britânica — foi desatado por revelações de que, por anos, o News of the World usou grampos ilegais para conseguir histórias, ouvindo mensagens de voz de celebridades, políticos e mesmo vítimas de crimes.

Saiba mais: News Corp., império midiático de Rupert Murdoch

2011: Murdoch se desculpa na imprensa britânica por escutas ilegais

O escândalo fez Murdoch fechar o tabloide de 168 anos e abriu caminho para investigações penais em que dezenas de jornalistas foram presos. O júri também desconsiderou a acusação de que o ex-editor de gerenciamento do News of the World Stuart Kuttner era culpado de hackear telefones.

Outros três réus — o marido de Brooks, Charles, sua ex-secretária Cheryl Carter e o chefe de segurança da News International Mark Hanna — foram absolvidos da acusação de perverter o curso da justiça ao tentar esconder evidências da polícia.

O júri, que deliberou por oito dias, ainda considera duas acusações de pagar funcionários pelos diretórios dos telefones reais contra Coulsoun e o ex-editor de realeza do News of the World Clive Goodman.

Leia também: Entenda o escândalo de grampos do tabloide News of the World

Brooks e Coulson, ambos com 46 anos, foram acusados de conspirar, juntamente com Kuttner, de hackear telefones entre 2000 e 2006. Ela editou o News of the World de 2000 a 2003 com Coulson como seu vice — e, como o julgamento revelou, seu amante. Coulson então assumiu como editor, antes de se tornar o chefe de comunicações de Cameron.

Todos os réus negaram as acusações. Os promotores argumentaram que os editores graduados deveriam ter conhecimento de que os grampos eram usados no News of the World — mas apenas Coulson foi condenado pelo júri.

O veredicto coloca Cameron, que empregou Coulson dois anos depois de funcionários do News of the World terem sido condenados de grampear telefones em 2007. Coulson renunciou ao cargo em 2011, quando a polícia reabriu a investigação.

Nesta terça, Cameron pediu desculpas por ter contratado Coulson. "Sinto muito por tê-lo empregado, foi a decisão errada", disse Cameron, afirmando que apresentava um pedido de desculpas "completo e franco" pela contratação. "Perguntei se ele sabia sobre as escutas ilegais, e ele disse que não. Eu aceitei suas garantias e dei-lhe o emprego", disse Cameron.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: reino unidomurdochnews of the worldcoulsonbrooks

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas