Egito condena jornalistas da Al-Jazeera a sete anos de prisão

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Jornalistas, presos há 6 meses, foram acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana; eles continuam negando a acusação

BBC

Três jornalistas da Al-Jazeera acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana foram condenados a sete anos de prisão no Egito.

Fevereiro: Jornalistas da Al-Jazeera se declaram inocentes em julgamento no Egito

BBC
Mohammed Fahmy, Baher Mohamed e Peter Greste estão presos há seis meses e negam as acusações


Torturas: Rede de TV Al Jazeera anuncia revelações do Wikileaks

Um tribunal no Cairo condenou o australiano Peter Greste e os egípcios Mohammed Fahmy e Baher Mohamed por espalhar notícias falsas e apoiar o grupo islâmico, que foi banido no país. Eles estão presos há seis meses e negam as acusações.

Nove acusados julgados à revelia, incluindo três jornalistas estrangeiros, foram condenados a dez anos de prisão. O processo causou indignação internacional em meio a acusações de que teria motivações políticas.

Baher Mohamed foi condenado a mais três anos de prisão em um processo separado envolvendo a posse de armas.

Janeiro: Em corte, Morsi diz ser presidente legítimo do Egito

Restrição à imprensa

A Al-Jazeera disse que apenas nove dos 20 acusados são funcionários seus. Os outros seriam estudantes e ativistas. Dois deles foram absolvidos nesta segunda-feira (23). Fahmy e Mohamed estavam entre os 16 egípcios acusados de pertencer a uma organização terrorista e de "prejudicar a unidade nacional".

Greste, ex-correspondente da BBC, e outros três jornalistas que deixaram o país - os repórteres britânicos Dominic Kane e Sue Turton, também da Al-Jazeera, e a jornalista holandesa Rena Netjes - foram acusados de divulgar informações falsas e colaborar com os réus egípcios através de doações em dinheiro, equipamento e informação. O julgamento ocorre em meio a crescentes restrições ao trabalho da imprensa no Egito.

A Al-Jazeera, sediada no Catar, está proibida de operar dentro do Egito após autoridades terem acusado o canal de transmitir reportagens favoráveis ao ex-presidente Mohammed Morsi e a Irmandade Muçulmana. A Al-Jazeera nega as acusações. O Catar apoia a Irmandade e é visto com ceticismo pelo governo egípcio.

Leia tudo sobre: al jazeeracataregitomorsiirmandade muculmanajornalistasfahmymohamedgreste

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas