País fez solicitação formal para Washington após o EIIL ocupar a maior refinaria de petróleo do país, localizada perto de Bagdá

O Iraque pediu formalmente aos Estados Unidos nesta quarta-feira (18) para que eles lancem ataques aéreos contra os militantes jihadistas que têm ocupado várias cidades do país desde o início deste mês.

Hoje: Militantes islâmicos sunitas invadem maior refinaria do Iraque

Combatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06)
AP
Combatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06)


Terça: EUA mobilizam poder de fogo enquanto milícia sunita avança no Iraque

“Fomos requisitados pelo governo iraquiano”, confirmou o comandante militar dos EUA, o general Martin Dempsey.

O anúncio foi feito depois que insurgentes lançaram ataque sobre refinaria de petróleo ao norte de Bagdá. Mais cedo, o premiê do Iraque, Nouri Maliki, pediu que os iraquianos se unam contra os rebeldes.

As forças do governo estão lutando para conter o avanço do grupo Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL)  e seus aliados sunitas nas províncias de Diyala e Salahuddin depois de os militantes terem invadido Mosul na semana passada.

O presidente dos EUA, Barack Obama deve discutir a crise do Iraque com altos membros do Congresso ainda nesta quarta. Antes da reunião, porém, o líder do Senado, o democrata Harry Reid, afirmou que não apoiará "de maneira nenhuma” o envolvimento de tropas americanas na “guerra civil” do Iraque.

Mas o general Dempsey disse a um painel do Senado que era de interesse nacional “combater [os militantes] onde quer que o encontremos."

Ataque a Refinaria

A milícia invadiu a maior refinaria de petróleo do Iraque após atacá-la com morteiros e metralhadoras. Uma autoridade citada pela agência de notícias Reuters disse que os militantes controlam agora 75% da refinaria Baiji, a 210 km ao norte de Bagdá.

Forças do governo realizaram novos ataques aéreos contra os combatentes que avançam rumo à capital. Confrontos também foram registrados na cidade de Ramadi, no oeste do país.

Milícia sunita: Entenda o que é o Estado Islâmico do Iraque e do Levante

Tal Afar: Milícia sunita captura cidade no norte do Iraque perto da Síria

Baiji é responsável por um quarto de toda a capacidade de refino do país, destinada ao consumo doméstico de gasolina e combustível para geradores de energia, disse uma autoridade à agência de notícias Associated Press.

Militantes na Província de Anbar, cuja capital é Ramadi, disseram ter feito avanços, com diversas delegacias perto da cidade de Hit sendo administradas agora por tribos dissidentes. No norte do país, o governo iraquiano disse ter recapturado a citadela da cidade estratégica de Tal Afar, tomada por militantes na segunda-feira.

Domingo: Milícia no Iraque divulga fotos de supostas execuções em massa 

Veja fotos sobre o avanço de milícia em território iraquiano

Baquba: Novo confronto em província próxima a Bagdá deixa ao menos 44 mortos

Centenas morreram desde o início da ofensiva na semana passada. Entre os mortos, acredita-se estarem soldados capturados e executados a tiros por esquadrões liderados por integrantes do EIIL.

Durante os confrontos na cidade de Baquba nesta semana, 44 prisioneiros morreram dentro de uma delegacia em circunstâncias ainda não esclarecidas.

Discurso forte

O primeiro-ministro iraquiano foi à TV na terça-feira e, ao lado de líderes sunitas e curdos, fez um pedido por união nacional diante do avanço dos militantes. Eles exigiram que grupos abandonem suas armas.

Sábado: EUA enviam porta-aviões ao Golfo caso decidam lançar ação militar no Iraque

No entanto, tal pedido não deve ter muito efeito já que Maliki apoiou abertamente a formação de milícias xiitas para lutar ao lado de tropas iraquianas, informou o correspondente da BBC Jim Muir em Irbil, no norte do Iraque.

Em um discurso de tom forte pouco habitual, Maliki acusou a Arábia Saudita, de maioria sunita, de apoiar o EIIL. O premiê também exonerou quatro comandantes da Aeronáutica por não impedir o avanço de militantes.

Cenário: Pelo Iraque, Estados Unidos e Irã devem formar aliança inesperada

Presidente: Irã está pronto para ajudar o Iraque contra milícia sunita

Com áreas xiitas na capital sofrendo ataques quase diários, correspondentes dizem que moradores de Bagdá desenvolveram uma mentalidade de guerra. Muitos estão estocando itens essenciais, como alimentos, disseram correspondentes, o que elevou fortemente os preços dos produtos.

Braço da Al-Qaeda

O EIIL cresceu como uma organização ligada à Al-Qaeda no Iraque. O grupo tem cerca de 10 mil combatentes no Iraque e na Síria e tem recebido apoio de outros grupos militantes sunitas, incluindo homens e soldados que eram ligados a Saddam Hussein.

A organização explora o impasse entre o governo iraquiano e a minoria sunita, que acusa Maliki, um xiita, de monopolizar o poder. O EIIL é liderado por Abu Bakr al-Baghdadi, uma figura obscura conhecida como um comandante de campo e líder tático.

Reação internacional

A escalada na crise no Iraque tem preocupado os países vizinhos. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que Teerã não "vai medir esforços" para defender locais sagrados xiitas no Iraque contra "mercenários, assassinos e terroristas".

CNN: Irã envia forças ao Iraque contra avanço de milícia islâmica sunita

A Turquia disse estar investigando relatos de que 15 turcos foram sequestrados pelo EIIL na terça-feira. Outros 80 turcos haviam sido capturados em Mosul na semana passada. Já o ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Saud bin Faisal, alertou que o Iraque enfrenta o risco de uma guerra civil.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá detalhar a situação no Iraque a líderes do Congresso e, na Grã-Bretanha, o primeiro-ministro, David Cameron, deverá se reunir com seus principais assessores de segurança para discutir o assunto.

*Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.