Novo confronto em província próxima a Bagdá deixa ao menos 44 mortos

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Militantes sunitas atacaram delegacia na noite de segunda-feira em Baquba, perto de Bagdá. Grupo ocupou região brevemente

Policiais iraquianos afirmam que ao menos 44 detentos morreram enquanto militantes sunitas atacavam delegacia de uma província que fica a nordeste de Bagdá e lutaram contra milicianos xiitas pró-governo que defendiam o local, segundo informações divulgadas nesta terça-feira (17).

Cenário: Pelo Iraque, Estados Unidos e Irã devem formar aliança inesperada

Reuters
Combatentes tribais mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06)


Ontem: Milícia sunita captura cidade no norte do Iraque perto da Síria

Há informações conflitantes sobre o número de mortos. Um militar iraquiano afirmou que foram 52 as vítimas fatais do ataque em Baquba, capital da província de Diyala, a apenas 60 km de Bagdá.

A região foi tomada brevemente pelos rebeldes na noite de segunda (16). Militantes tentaram libertar os detidos, todos supostos rebeldes sunitas. Um funcionário do necrotério de Baquba diz que muitos mortos tinham ferimentos de bala na cabeça e no peito. Todos falaram sob condição de anonimato temendo por sua segurança.

Nesta terça, partes da cidade de Baquba, que fica a apenas 60 km de Bagdá, foram tomadas brevemente pelos rebeldes.

EUA

Enquanto militantes islâmicos continuam seu avanço pelo Iraque, o Pentágono se prepara para seguir as ordens do presidente americano Barack Obama. A Embaixada dos EUA em Bagdá recebeu reforço de até 275 militares para proteger o pessoal e reforçar sua segurança.

Domingo: Milícia no Iraque divulga fotos de supostas execuções em massa

Porta-aviões e outros cinco navios de guerra estão agora no Golfo Pérsico. Mais de 500 fuzileiros navais e dezenas de helicópteros estão de prontidão a espera de possíveis ordens militares.

Na segunda-feira, o secretário de Estado, John Kerry, em entrevista ao Yahoo! News, reconheceu que os ataques aéreos contra alvos iraquianos estão sendo considerados. Os EUA também devem realizar conversações com o Irã sobre como conter os militantes sunitas no Iraque, disse uma autoridade no domingo, em uma ação que representaria um grande passo dos EUA em relação a seu adversário de longa data. Um representante da Casa Branca disse, no entanto, que não haviam conversas em andamento.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o avanço da milícia sunita no Iraque

"Bem, eles não são solução, mas podem muito bem ser uma das opções importantes para conter a onda de violência e parar o movimento da milícia que tem aterrorizado as pessoas", disse Kerry. "Quando você tem pessoas matando em massacres em massa, você deve detê-los. Faz o que precisa fazer."

Veja fotos das ações dos militantes no Iraque

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Milícia sunita: Entenda o que é o Estado Islâmico do Iraque e do Levante

Mesmo sem confirmar a cooperação com o Irã, Kerry não "descarta qualquer opção construtiva para proporcionar estabilidade" no Iraque.

"Acho que estamos abertos a qualquer processo construtivo que poderia minimizar a violência, manter o Iraque unido - a integridade do país - e eliminar a presença de forças terroristas", explicou ele.

Esses foram os primeiros comentários que o funcionário do alto escalão norte-americano faz publicamente desde que rebeldes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) começou ofensiva que tem tomado vastas áreas do norte do país. Nesse cenário, o Irã desempenha um papel fundamental, já que é um aliado do governo liderado pelos xiitas do Iraque. Os militantes do EIIL são sunitas.

Terça: Militantes islâmicos capturam parte de Mosul, segunda maior cidade do Iraque

Um oficial sênior de segurança em Bagdá disse à CNN na semana passada que o país tinha enviado cerca de 500 soldados da Guarda Revolucionária para ajudar a combater os militantes. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, afirmou estar aberto a ajudar, se for solicitado. 

Brutalidade

Presidente: Irã está pronto para ajudar o Iraque contra milícia sunita

Enquanto o EIIL continua sua marcha violenta capturando cidades ao longo de seu caminho, muitos temem que seus combatentes cheguem à capital, Bagdá. O grupo acumulou diversas vitórias em todo o Iraque nos últimos dias, incluindo a cidade do noroeste iraquiano Tal Afar, duas vilas na província de Diyala e a segunda maior cidade do Iraque, Mosul. Centenas de milhares de pessoas fugiram e a crise agora é tão grave que o governo está recrutando voluntários para ajudar a combater os militantes. 

Na segunda, um vídeo chocou o mundo ao mostrar um homem em um uniforme militar iraquiano depois de ter sido baleado no rosto. No Facebook, militante ostentava ter matado o homem e afirmou ainda que as imagens deveriam ser divulgadas para mostrar o que poderia acontecer com outros xiitas.

CNN: Irã envia forças ao Iraque contra avanço de milícia islâmica sunita

As novas imagens seguem outras aparentemente postadas por integrantes do EIIL em fóruns de Internet jihadistas. Nelas são mostradas execuções das forças de segurança iraquianas e um tweet sobre o que foi reivindicado como uma conta do grupo rebelde,  dizendo que seus membros haviam matado pelo menos 1.700 xiitas.

*Com CNN, BBC, AP e Reuters

Leia tudo sobre: eiileiil no iraquexiitassunitasobamaeuakerryiramosulrouhani

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas