Incidente é amargo revés para forças ucranianas, que lutam para reprimir insurgência armada que se opõe a novo governo

Separatistas pró-Rússia derrubaram um avião de transporte militar no leste da Ucrânia neste sábado, matando todos os 49 passageiros a bordo, disseram funcionários ucranianos.

Sexta: Forças ucranianas expulsam rebeldes pró-Rússia de porto estratégico

Destroços de aeronave de transporte militar da Ucrânia derrubado por separatistas pró-Rússia são vistos em aeroporto perto de Luhansk, Ucrânia
AP
Destroços de aeronave de transporte militar da Ucrânia derrubado por separatistas pró-Rússia são vistos em aeroporto perto de Luhansk, Ucrânia

Dia 29: Helicóptero ucraniano é abatido por rebeldes

O incidente foi um amargo revés para as forças ucranianas, que lutam com dificuldades para reprimir uma insurgência armada que se opõe ao novo governo .

Nove tripulantes e 40 soldados estavam a bordo do Il-76 quando ele caiu no início deste sábado ao se aproximar do aeroporto na cidade de Luhansk, disse o gabinete do promotor-geral em um comunicado.

Uma parte da cauda da aeronave caiu com outros pedaços de fuselagem em um campo de uma fazenda na vila de Novohannivka, a cerca de 20 km ao sul Luhansk. Um repórter da Associated Press viu mais de uma dezena de separatistas armados inspecionando o local.

Dia 5: G7 ameaça aumentar sanções contra Rússia por crise na Ucrânia

O número de mortos superou a perda de 12 soldados, incluindo um general em 29 de maio, quando rebeldes derrubaram um helicóptero militar perto da cidade oriental de Slovyansk.

O incidente levanta questões sobre o acesso dos rebeldes a equipamentos militares. A Ucrânia acusou a Rússia de permitir que três de seus tanques cruzassem a fronteira onde eles eram usados pelos rebeldes. A Rússia nega fornecer suprimentos aos rebeldes.

Veja imagens de separatistas pró-Rússia e da presença militar russa na Ucrânia:

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) divulgou imagens neste sábado que, disse, mostram recentes movimentos de tanques russos perto da fronteira e "levantam questões significativas" sobre o papel da Rússia.

Os tanques vistos na Ucrânia, diz a Otan, "não têm marcas de pintura de camuflagem como aquelas usadas pelo Exército da Ucrânia. Na verdade, eles não têm nenhuma marca, o que remonta a táticas usadas por elementos russos envolvidos na desestabilização da Crimeia".

Março: Presidente da Rússia completa anexação da Crimeia

Denis Pushilin, um líder da República do Povo de Donetsk, disse à televisão estatal russa na sexta-feira que os rebeldes tinham os tanques, mas que era "inadequado perguntar" onde os conseguiram.

Um comunicado do Ministério da Defesa afirmou que os rebeldes derrubaram o avião de transporte de forma "cínica e traiçoeira" usando armas antiaéreas e metralhadoras pesadas. Também expressou condolências às famílias dos mortos "por sua trágica e irreparável perda".

Alexei Toporov, porta-voz de Defesa da autoproclamada República do Povo de Luhansk, afirmou que a aeronave foi abatida depois dos "ocupantes" ucranianos terem rejeitado um ultimato para abandonar o aeroporto de Luhansk.

Luhansk fica na fronteira leste da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia, uma área que tem visto separatistas capturar prédios do governo e declarar independência depois da realização de contestados referendos.

A Ucrânia anunciou um sucesso na sexta, quando tropas retomaram alguns prédios ocupados por rebeldes na cidade portuária de Mariupol. Não há relatos de mortes.

Antes do incidente deste sábado, o Ministério da Saúde da Ucrânia disse que os confrontos entre forças do governo e separatistas armados deixaram ao menos 270 mortos.

As tensões entre a Ucrânia e a Rússia escalaram em fevereiro, depois que o presidente pró-Rússia Viktor Yanukovych foi expulso do poder por um protesto em massa composto por pessoas que favoreciam vínculos mais próximos com a União Europeia.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.