Segundo a Reuters, entre as 37 vítimas estavam mulheres grávidas; vítimas foram mortas a tiros, facas ou queimadas

Reuters

Até 37 pessoas, incluindo mulheres e crianças, foram mortas neste sábado (7) na província de Kivu do Sul, na República Democrática do Congo, em um ataque que, segundo autoridades do governo, se deveu a uma disputa por gado.

Relembre genocídios ocorridos na história:

As vítimas, entre elas várias grávidas, foram mortas a tiros, esfaqueadas ou queimadas dentro de suas casas. Um câmera da Reuters na vila de Mutarule contou 37 corpos, alguns deles dentro de uma igreja.

Moradores e líderes religiosos disseram que pacientes em um centro médico também foram atacados. Além dos mortos, mais de 20 pessoas ficaram feridas, sendo dez em estado crítico.

"Foi um congolês que fez todos esses ataques. Foi por causa de uma disputa por vacas", disse à Reuters o governador de Kivu do Sul, Marcellin Cishambo, que estimou número de mortos em 27. "O problema é que todos nessa região carregam uma arma."

O porta-voz do governo, Laurent Mende, disse que o incidente foi um ataque por vingança da comunidade de um criador de gado morto durante uma tentativa de roubo de vacas que pertenciam a outro fazendeiro.

"O comandante do Exército (no local) foi preso porque demorou demais para reagir. Ele está agora com a polícia do Exército. Autoridades também prenderam um líder local suspeito de coordenar os ataques", completou Mende, que, por sua vez, estimou em 34 o número de mortos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.