Rei Juan Carlos abdicou ao trono na segunda em uma tentativa de reabilitar a monarquia espanhola já abalada por escândalos

Reuters

O príncipe Felipe, da Espanha, irá provavelmente suceder seu pai, Juan Carlos, como rei em algum momento depois de 18 de junho, disse nesta terça-feira (3) o presidente do Congresso dos Deputados, Jesús Posada, um dia depois de o monarca anunciar sua abdicação após longo reinado.

Ontem: Ativistas vão às ruas pelo fim da monarquia na Espanha

O rei Juan Carlos e o príncipe Felipe  assistem a cerimônia militar em San Lorenzo de El Escorial, arredores de Madri, Espanha
AP
O rei Juan Carlos e o príncipe Felipe assistem a cerimônia militar em San Lorenzo de El Escorial, arredores de Madri, Espanha


Reinado: Juan Carlos guiou Espanha a democracia, mas escândalos abalam imagem

Juan Carlos afirmou na segunda (2) que entregará o trono a Felipe, em um gesto para reabilitar a monarquia espanhola abalada por escândalos em um momento de dificuldades econômicas e crescente descontentamento no país com a elite política.

A Espanha não tem um conjunto preciso de normas regulamentando a abdicação e a sucessão, por isso, a sucessão vai requerer a aprovação de legislação no Parlamento, onde o conservador Partido do Povo (PP) tem maioria absoluta. A oposição socialista anunciou que apoiará a lei.

Polêmica: Rei da Espanha é alvo de críticas por caçar elefantes na África

"Ainda veremos, mas acredito que tudo deverá estar decidido por volta de 18 de junho, de modo que a proclamação solene possa ser realizada perante as Cortes (Congresso dos Deputados e Senado)", disse Posada. 

Antes popular, Juan Carlos, de 76 anos e já há quase 40 no trono, ajudou a Espanha a fazer uma transição tranquila para a democracia nos anos 1970, depois da ditadura de Francisco Franco, mas parecia cada vez mais distante nos últimos anos.

Veja momentos importantes da vida de Juan Carlos na galeria de fotos

Janeiro: Princesa Cristina é acusada de fraude fiscal e lavagem de dinheiro

Um escândalo de corrupção na família e sua saúde fragilizada após várias cirurgias nos últimos anos também contribuíram para erodir o apoio público ao rei.

Manifestações

Milhares de pessoas se reuniram para um protesto anti-monarquia. Os dois principais partidos no parlamento permanecem leais à monarquia. Mas a maioria dos partidos de esquerda se opõem e se manifestaram com a participação de dezenas de milhares de pessoas em muitas cidades, incluindo Madri e Barcelona.

"Envie os Bourbons para os tubarões!", gritavam os ativistas em Madri. Uma parte da família real espanhola vem da Casa de Bourbon. Muitos manifestantes estão exigindo um referendo sobre o futuro da monarquia.

Ativistas carregam a bandeira tricolor que simboliza o movimento republicano contra a monarquia e entoam gritos como "A Espanha, amanhã, vai ser republicana" para pedir a convocação de um referendo que decida sobre o fim da monarquia no país europeu, na segunda.

Nas redes sociais, partidos como o Podemos, União de Esquerda e Equo realizaram apelo conjunto pela realização do voto popular. Juntas, essas legendas alcançaram 20% das eleições do Parlamento Europeu, realizadas na semana passada.

Por meio das redes sociais, grupos convocaram manifestações para às 20h (horário local) em todas as cidades do país para que o povo seja consultado sobre manter ou não o Estado monárquico.

*Com BBC e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.