China defende repressão em Tiananmen às vésperas do 25º aniversário do protesto

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestação de 1989 pela democracia acabou em violência; o governo afirma que à época polícia agiu contra revolucionários

Reuters

A China defendeu nesta terça-feira (3) a sangrenta repressão às manifestações pró-democracia em torno da Praça Tiananmen, na véspera de seu 25º aniversário, dizendo que adotou o caminho correto para o bem do povo.

2013: China investiga suspeitos de dirigir carro que matou 5 na Praça da Paz Celestial

Reuters
Soldados gritam durante cerimônia de boas-vindas ao primeiro-ministro do Kuwait, Sheikh Jaber al-Mubarak al-Sabah, em Pequim, China


Prisão domiciliar: Dissidentes chineses fazem rara visita à esposa de prêmio Nobel

Para o governista Partido Comunista, as manifestações de 1989 que tomaram a Praça Tiananmen em Pequim e se espalharam por outras cidades permanecem tabu depois que o governo classificou os protestos como "contra-revolucionários".

O aniversário da data em que as tropas saíram atirando pelo centro de Pequim em 1989 nunca foi lembrado publicamente na China continental, embora todos os anos ocorram eventos em Hong Kong, devolvida pelos britânicos à China em 1997, bem como em Taiwan, que tem governo próprio e a China reivindica como parte de seu território.

Nunca foi divulgado o número de mortos pelo governo na repressão, mas grupos de defesa dos direitos humanos estimam que tenham sido milhares e testemunhas falam de centenas ou vários milhares.

"O governo chinês chegou há muito tempo a uma conclusão sobre a turbulência política no final dos anos 1980", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hong Lei, em seu contato diário com a imprensa.

"Nas últimas décadas de reforma e abertura na China, as enormes conquistas no desenvolvimento social e econômico têm recebido atenção mundial. A construção de democracia e do Estado de direito continua a ser aperfeiçoada", disse ele.

"Pode-se dizer que o caminho para o socialismo com as características chinesas que seguimos hoje está de acordo com a condição nacional e os interesses básicos da grande maioria da população da China, que são a aspiração de todas as pessoas na China."

Leia tudo sobre: chinatiananmenpracaleirepressaosangrentapraca da paz celestial

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas