Robô submersível não encontrou nada na região e as buscas na área foram encerradas. Voo sumiu em março com 239 a bordo

BBC

A área onde foram detectados sinais acústicos que se acreditava serem do avião desaparecido da Malaysia Airlines pode ser descartada como destino final da aeronave, disseram nesta quinta-feira (29) as autoridades australianas.

Malásia: Nasce filho de um dos tripulantes do avião malaio desaparecido desde março

Após mais de dois meses do desaparecimento do avião, nenhum destroço foi encontrado
Reuters
Após mais de dois meses do desaparecimento do avião, nenhum destroço foi encontrado


Buscas: Malásia revisará dados para iniciar nova fase de buscas por voo desaparecido

A busca realizada com o robô submersível Bluefin-21 na região não encontrou nada e foi encerrada. O avião - que viajava de Kuala Lumpur para Pequim - sumiu no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo.

Usando dados de satélite, as autoridades concluíram que a aeronave terminou sua jornada no Oceano Índico, a noroeste da cidade australiana de Perth. No entanto, nenhum vestígio do avião foi encontrado e não há nenhuma explicação para o seu desaparecimento.

Última missão

Os esforços agora se concentrarão em revisar os dados coletados, trazer outros equipamentos especializados e pesquisar o fundo do mar.

Investigação: Buscas por voo da Malásia podem levar um ano

"Ontem, o Bluefin-21 completou sua última missão de busca nas áreas remanescentes nas imediações dos sinais acústicos detectados no início de abril", informa um comunicado da agência australiana que está coordenando as investigações - a Joint Agency Co-ordination Centre (JACC).

"Os dados coletados na missão de ontem foram analisados. Como resultado, a agência pode informar que nenhum sinal de destroços da aeronave foi encontrado pelo veículo submarino autônomo desde que este se juntou ao esforço de busca", acrescenta o documento.

Veja fotos das buscas pelo voo da Malaysia Airlines

Dados: Malásia divulga relatório preliminar sobre desaparecimento do voo MH370

A declaração foi divulgada horas depois que um oficial da Marinha dos Estados Unidos disse à rede americana CNN que os sinais acústicos provavelmente vieram de alguma outra fonte artificial.

"A nossa melhor teoria neste momento é que [os sinais detectados foram] provavelmente algum som produzido pelo navio ou pelo sistema eletrônico do próprio localizador", disse Michael Dean, vice-diretor de engenharia oceânica da Marinha americana, ontem à emissora.

Segundo ele, sempre que se coloca um equipamento eletrônico no mar há o temor de que a água entre no equipamento e começe a produzir som. Um porta-voz da Marinha dos Estados Unidos, posteriormente, descreveu essa observação como "especulativa e prematura".

No comunicado desta quinta (29), a agência australiana disse ainda que um grupo de trabalho de peritos iria rever e refinar os dados existentes para melhor definir uma área de busca do avião desaparecido.

Saiba mais: Conheça dez teorias sobre o paradeiro do voo desaparecido na Ásia

Um navio chinês já tinha começado a mapear uma área de fundo do oceano em um processo de pesquisa que tem previsão de durar três meses.

Enquanto isso, as autoridades australianas buscarão propostas de empreiteiros comerciais para o equipamento especializado necessário para a busca subaquática - um processo previsto para começar em agosto, disse JACC.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.