Propagação do surto de ebola na África Ocidental é grave, segundo a OMS

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Casos foram confirmados na capital da Guiné, Conacri, e em outras regiões do país; uma morte já foi registrada neste mês

Reuters

A capital da Guiné, Conacri, registrou os primeiros novos casos de ebola em mais de um mês, enquanto outras áreas anteriormente não afetadas também tiveram casos confirmados na semana passada, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Março: Novo surto de Ebola mata 59 na Guiné

AP
uma criança somali recebe uma vacina contra a poliomielite, na Somália (2013)


Desespero: Multidão ataca centro de tratamento de ebola na Guiné

Com início há dois meses, a propagação do surto que as autoridades da Guiné haviam dito estar sob controle, pode complicar ainda mais a luta contra o vírus em uma área que já sofre com a precariedade dos sistemas de saúde e fronteiras porosas.

"A situação é grave. Você não pode dizer que está sob controle quando os casos continuam e estão se espalhando geograficamente", disse Pierre Formenty, especialista da OMS, que retornou recentemente da Guiné, em entrevista coletiva em Genebra nesta quarta-feira.

"Não houve declínio. Na verdade, é porque não estamos conseguindo detectar todo o surto, que estamos com a impressão de que houve uma queda", disse ele.

A OMS informou sobre dois novos casos, incluindo uma morte, entre 25 e 27 de maio em Conacri. Eles foram os primeiros a serem detectados desde 26 de abril. Um surto na capital representa a maior ameaça de uma epidemia, porque a cidade é o centro das viagens internacionais na Guiné.

Télimélé e Boffa - dois distritos ao norte de Conacri tiveram casos confirmados por testes de laboratório, disse a OMS. Doze casos, incluindo quatro mortes, foram relatadas entre 23 e 26 de maio, enquanto casos suspeitos de ebola foram detectados nos distritos adjacentes de Boke e Dubreka.

Aboubacar Sidiki Diakité, que comanda os esforços do governo para conter a disseminação do vírus, disse que as origens de todos os novos focos foram rastreadas até os casos em Conacri.

"O problema é que existem famílias que se recusam a dar informações aos profissionais de saúde. Elas escondem seus doentes para tentar tratá-los através de métodos tradicionais", disse ele à Reuters.

O surto inicial- a primeira aparição da febre hemorrágica fatal na África Ocidental - se espalhou a partir de uma região remota da Guiné para a capital e para a Libéria. A Serra Leoa reportou o primeiro caso confirmado da doença no início desta semana.

A OMS documentou um total de 281 casos clínicos de ebola, incluindo 185 mortes na Guiné desde que o primeiro foco do vírus foi identificado em março.

Leia tudo sobre: guinesurtoebolaafrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas