Eleição presidencial mobiliza dezenas de milhares de sírios pelo mundo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Expatriados e fugitivos de guerra votaram em embaixadas da Síria em vários países; revolta no país já matou mais de 160 mil

Reuters

Refugiados agitavam bandeiras e erguiam fotos de Bashar al-Assad enquanto se aglomeravam na embaixada síria no Líbano, nesta quarta-feira (28), unindo-se aos sírios espalhados por vários países para votar em uma eleição que parece destinada a legitimar um terceiro mandato de sete anos para o atual presidente.

Abril: Síria terá eleições presidenciais em 3 de junho

AP
Sírios que vivem no Líbano vão às urnas para votar na eleição presidencial de seu país na embaixada síria em Yarze, leste de Beirute


Reeleição: Assad vai concorrer a terceiro mandato na Síria

Expatriados e fugitivos de guerra depositavam seus votos em dezenas de embaixadas da Síria pelo mundo, antes da eleição ser conduzida dentro do país na próxima semana, um pleito que os opositores ao regime classificaram como uma farsa em meio a um conflito armado que se encaminha para o quarto ano.

Diversos países que se opõem a Assad, incluindo a França, proibiram a votação, mas o governo sírio disse que as pessoas ainda estariam aptas a votar em muitos países.

Assad está no poder desde 2000, quando assumiu o cargo das mãos de seu pai, Hafez, que antes governou por 30 anos. A eleição é uma demonstração da eficiência do governo em contornar uma revolta que já resultou na morte de mais de 160 mil pessoas, e de como isso estende sua influência para além de suas fronteiras.

No Líbano, onde se encontram um milhão de sírios - a maior parte deles, refugiados - as pessoas foram levadas de ônibus para a embaixada em Beirute, com os veículos bloqueando uma das três principais estradas e homens e mulheres agitando bandeiras da Síria e segurando retratos de Assad.

Refugiados disseram à Reuters que foram mobilizados a votar por grupo libaneses pró-Assad e disseram que os ônibus foram pagos. Alguns afirmaram que os que não votassem seriam proibidos de retornar à Síria.

Dezenas de milhares de pessoas se aglomeravam na entrada da embaixada, algumas esmagadas pela multidão. Ninguém disse ter votado em algum dos outros candidatos --Hassan Abdallah al-Nouri e o parlamentar Maher Abdel-Hafiz Hajjar.

A TV estatal síria disse que a votação ocorria em 43 embaixadas e transmitiu imagens de Kuala Lumpur, Teerã e Amã.

Leia tudo sobre: eleicoes na siriaembaixadalibanoteeraamalumpursiriahafezassadfranca

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas