Abdel Fattah al-Sisi deve emergir como próximo presidente do país; governo declarou feriado e prolongou horário de votação

Reuters

No segundo e último dia da eleição no Egito nesta terça-feira (27), o ex-chefe do Exército Abdel Fattah al-Sisi deve emergir como o próximo presidente do país, mas o governo apoiado pelos militares procurou ampliar a participação dos eleitores nas urnas declarando feriado e prolongando o horário de votação.

Hoje: Egito vai às urnas sob forte esquema de segurança

Mulher mostra dedo sujo de tinta após votar no Cairo, Egito
Reuters
Mulher mostra dedo sujo de tinta após votar no Cairo, Egito


Março: Egito marca 1º turno da eleição presidencial para 26 e 27 de maio

Com a vitória do marechal de campo Sisi dada como certa, o comparecimento às urnas no país e nos locais de votação no exterior é visto como um importante indicador do nível de apoio popular para o ex-chefe do Exército, que destituiu o primeiro presidente livremente eleito no Egito, Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana.

A mídia leal ao governo criticou os eleitores por não irem em grande número às urnas e os egípcios receberam mensagens de texto lembrando-os de que não votar é um delito punido com multa.

Um destacado comentarista de TV disse que as pessoas que não votavam eram "traidores, traidores, traidores".

Depois da abertura das seções eleitorais às 9 horas (3 horas em Brasília), as filas eram pequenas em vários partes do Cairo e em alguns casos não se viam eleitores. Os locais de votação serão fechados às 22 horas, uma hora depois do previsto inicialmente.

Só existe um outro candidato: o político esquerdista Hamdeen Sabahi, cuja campanha descreveu o comparecimento no primeiro dia como "moderado, e abaixo do moderado em alguns casos".

Egito: Manifestantes protestam contra candidatura de ex-militar que depôs Morsi

Embora Sisi desfrute de amplo apoio entre boa parte dos egípcios, que o veem como um líder forte capaz de pôr fim a três anos de turbulência no país, alguns dizem não ter ido votar porque nenhum dos dois candidatos preenchia as aspirações manifestadas durante a revolta da Primavera Árabe, de 2011, contra décadas de autocracia.

A Irmandade Muçulmana e seus aliados islamitas, que veem Sisi como o responsável por arquitetar o golpe que depôs Mursi, boicotaram a eleição que deve reconduzir novamente um militar à Presidência de um país dominado pelo Exército desde 1952.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.