Egito incentiva eleitores a irem às urnas no segundo dia de votação

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Abdel Fattah al-Sisi deve emergir como próximo presidente do país; governo declarou feriado e prolongou horário de votação

Reuters

No segundo e último dia da eleição no Egito nesta terça-feira (27), o ex-chefe do Exército Abdel Fattah al-Sisi deve emergir como o próximo presidente do país, mas o governo apoiado pelos militares procurou ampliar a participação dos eleitores nas urnas declarando feriado e prolongando o horário de votação.

Hoje: Egito vai às urnas sob forte esquema de segurança

Reuters
Mulher mostra dedo sujo de tinta após votar no Cairo, Egito


Março: Egito marca 1º turno da eleição presidencial para 26 e 27 de maio

Com a vitória do marechal de campo Sisi dada como certa, o comparecimento às urnas no país e nos locais de votação no exterior é visto como um importante indicador do nível de apoio popular para o ex-chefe do Exército, que destituiu o primeiro presidente livremente eleito no Egito, Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana.

A mídia leal ao governo criticou os eleitores por não irem em grande número às urnas e os egípcios receberam mensagens de texto lembrando-os de que não votar é um delito punido com multa.

Um destacado comentarista de TV disse que as pessoas que não votavam eram "traidores, traidores, traidores".

Depois da abertura das seções eleitorais às 9 horas (3 horas em Brasília), as filas eram pequenas em vários partes do Cairo e em alguns casos não se viam eleitores. Os locais de votação serão fechados às 22 horas, uma hora depois do previsto inicialmente.

Só existe um outro candidato: o político esquerdista Hamdeen Sabahi, cuja campanha descreveu o comparecimento no primeiro dia como "moderado, e abaixo do moderado em alguns casos".

Egito: Manifestantes protestam contra candidatura de ex-militar que depôs Morsi

Embora Sisi desfrute de amplo apoio entre boa parte dos egípcios, que o veem como um líder forte capaz de pôr fim a três anos de turbulência no país, alguns dizem não ter ido votar porque nenhum dos dois candidatos preenchia as aspirações manifestadas durante a revolta da Primavera Árabe, de 2011, contra décadas de autocracia.

A Irmandade Muçulmana e seus aliados islamitas, que veem Sisi como o responsável por arquitetar o golpe que depôs Mursi, boicotaram a eleição que deve reconduzir novamente um militar à Presidência de um país dominado pelo Exército desde 1952.

Leia tudo sobre: eleicoes no egitoexercitosisimodiprimavera arabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas