Mulheres de prefeitos destituídos vencem eleições extraordinárias na Venezuela

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Patricia Gutierrez foi a escolhida para substituir seu marido em San Cristobal enquanto Rosa Brandonisio venceu em San Diego

As mulheres de dois prefeitos da oposição venezuelana depostos durante os protestos anti-governo venceram - com larga vantagem - as eleições extraordinárias realizadas no domingo (25) em duas cidades.

Crise: Maduro repudia PL dos EUA sobre sanções a funcionários venezuelanos

AP
A ex-parlamentar Maria Corina Machado, à esq., e a então candidata a prefeito Patricia Gutierrez em um comício na cidade de San Cristobal, Venezuela (22/05)


Violência: Sucursal de banco e viatura são incendiados em protestos na Venezuela

Patricia Gutierrez foi a escolhida para substituir o marido na cidade de San Cristobal com 73% dos votos enquanto Rosa Brandonisio venceu em San Diego com 87%.

O marido de Rosa, Enzo Scarano, foi condenado pelo Supremo Tribunal da Venezuela em março a mais de dez meses de prisão depois que o presidente Nicolás Maduro comparou a recusa do prefeito em remover barricadas de rua erguidas pelos manifestantes como um golpe de Estado. Já o marido de Patrícia, Daniel Ceballos, foi sentenciado a um ano de prisão.

Ambas as cidades foram palcos de alguns dos protestos mais violentos no país neste ano, onde cerca de 42 pessoas já foram mortas.

Veja fotos dos protestos na Venezuela

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP

Crise: Oposição faz exigências para continuar diálogo com governo da Venezuela

Maduro afirmou reconhecer o resultado das eleições, mas advertiu que seu governo pode intervir novamente na decisão, caso as tensões sejam retomadas.

“Se derem uma de loucos e começarem a queimar a cidade outra vez, as autoridades vão atuar. Se for necessário destituir, via poder judicial, assim faremos. Até, não sei, que haja eleições a cada três meses lá, até que haja a paz”, afirmou Maduro por meio de pronunciamento no domingo.

Os mandatos de ambas, candidatas apoiadas pela Mesa da Unidade Democrática (MUD), liderada por Henrique Capriles, vai até 2018.

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas