Patricia Gutierrez foi a escolhida para substituir seu marido em San Cristobal enquanto Rosa Brandonisio venceu em San Diego

As mulheres de dois prefeitos da oposição venezuelana depostos durante os protestos anti-governo venceram - com larga vantagem - as eleições extraordinárias realizadas no domingo (25) em duas cidades.

Crise: Maduro repudia PL dos EUA sobre sanções a funcionários venezuelanos

A ex-parlamentar Maria Corina Machado, à esq., e a então candidata a prefeito Patricia Gutierrez em um comício na cidade de San Cristobal, Venezuela (22/05)
AP
A ex-parlamentar Maria Corina Machado, à esq., e a então candidata a prefeito Patricia Gutierrez em um comício na cidade de San Cristobal, Venezuela (22/05)


Violência: Sucursal de banco e viatura são incendiados em protestos na Venezuela

Patricia Gutierrez foi a escolhida para substituir o marido na cidade de San Cristobal com 73% dos votos enquanto Rosa Brandonisio venceu em San Diego com 87%.

O marido de Rosa, Enzo Scarano, foi condenado pelo Supremo Tribunal da Venezuela em março a mais de dez meses de prisão depois que o presidente Nicolás Maduro comparou a recusa do prefeito em remover barricadas de rua erguidas pelos manifestantes como um golpe de Estado. Já o marido de Patrícia, Daniel Ceballos, foi sentenciado a um ano de prisão.

Ambas as cidades foram palcos de alguns dos protestos mais violentos no país neste ano, onde cerca de 42 pessoas já foram mortas.

Veja fotos dos protestos na Venezuela

Crise: Oposição faz exigências para continuar diálogo com governo da Venezuela

Maduro afirmou reconhecer o resultado das eleições, mas advertiu que seu governo pode intervir novamente na decisão, caso as tensões sejam retomadas.

“Se derem uma de loucos e começarem a queimar a cidade outra vez, as autoridades vão atuar. Se for necessário destituir, via poder judicial, assim faremos. Até, não sei, que haja eleições a cada três meses lá, até que haja a paz”, afirmou Maduro por meio de pronunciamento no domingo.

Os mandatos de ambas, candidatas apoiadas pela Mesa da Unidade Democrática (MUD), liderada por Henrique Capriles, vai até 2018.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.