Após cerimônia de posse, premiê da Índia fala em 'futuro glorioso'

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Narendra Modi convidou líderes do sul da Ásia para a cerimônia de posse, entre eles esteve o premiê do Paquistão, Nawaz Sharif

Reuters

Narendra Modi foi empossado como primeiro-ministro da Índia, em uma requintada cerimônia no palácio presidencial de Nova Délhi nesta segunda-feira (26), depois de uma vitória eleitoral arrebatadora que pôs fim a dois mandatos de governo da dinastia Nehru-Gandhi.

Sucesso nas urnas: Modi tem recepção de herói após ser eleito primeiro-ministro

AP
O novo primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, centro-esq., aperta a mão do premiê paquistanês Nawaz Sharif durante sua posse em Nova Délhi, Índia


2013: Explosões antes de comício de Modi mata um e deixa cinco feridos na Índia

Milhões de indianos assistiram à posse ao vivo na televisão quando o líder nacionalista hindu de 63 anos, anteriormente considerado pouco apto a promover a unidade na maior democracia do mundo, fez o juramento com os membros de seu gabinete no pátio do palácio.

Filho de um dono de casa de chá, de casta inferior, Modi deu à Índia a sua primeira maioria parlamentar após 25 anos de governos de coalizão, o que significa que ele tem uma ampla base para avançar com as reformas que começaram há mais de duas décadas, mas foram interrompidas nos últimos anos.

Muitos partidários o veem como o equivalente da Índia ao ex-presidente neoliberal dos Estados Unidos Ronald Reagan ou à líder britânica Margaret Thatcher. Um editor estrangeiro arriscou dizer que Modi poderia ser tão transformador como um "Deng Xiaoping da Índia" - o líder chinês que colocou o país em sua espetacular trajetória de crescimento econômico.

Eleição: Narendra Modi é eleito primeiro-ministro na Índia com vitória esmagadora

Modi convidou os líderes de todo o sul da Ásia para a sua cerimônia de posse, incluindo o primeiro-ministro Nawaz Sharif do inimigo Paquistão, num gesto sem precedentes que é tanto uma demonstração de sua determinação em ser um participante-chave no cenário mundial como uma celebração de sua retumbante vitória eleitoral.

Mesmo antes de sua posse, Modi conseguiu destaque no cenário global, onde já foi tratado com desconfiança. Ele falou com os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia e se tornou uma das apenas três pessoas que primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, segue no Twitter. O governo norte-americano já negou um visto a Modi em 2005, mas o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, agora o convidou para visitar a Casa Branca.

"Juntos, vamos escrever um futuro glorioso para a Índia. Vamos juntos sonhar com uma Índia forte, desenvolvida e que até mesmo se envolva ativamente na comunidade global para fortalecer a causa da paz e do desenvolvimento mundial", disse ele.

A pompa e a cerimônia marcaram o evento em Rashtrapati Bhavan, uma mansão de arenito da era colonial, com 340 quartos, no coração de Nova Délhi, com a presença de cerca de 4.000 convidados, entre os quais desde membros da família derrotada Nehru-Gandhi a industriais, atores de Bollywood, líderes religiosos e de vários países vizinhos.

O BJB e seus aliados tiveram uma vistória arrasadora este mês, destituindo o Partido do Congresso, da dinastia Nehru-Gandhi, em um grande abalo sísmico na política do país, o qual lhe deu um forte mandato para fazer profundas reformas econômicas.

Leia tudo sobre: premieindiapaquistaomodithatchernova delhigandhisharif

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas