Polícia confirma que Elliot Rodger é atirador de Santa Barbara, nos EUA

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Delegado do condado confirmou que filho de um cineasta de Hollywood é o suspeito de ter matado pelo menos seis pessoas

BBC

O delegado do condado de Santa Barbara Bill Brown confirmou no fim da noite deste sábado (24) que Elliot Rodger, filho de um cineasta de Hollywood, é o suspeito de ter matado pelo menos seis pessoas a tiros na noite da última sexta-feira (23).

Segundo Brown, Elliot estudava na universidade Santa Barbara City College e vivia na região de Isla Vista, onde ocorreram os disparos.  

AP / Reprodução
Elliot Rodgers postou um vídeo no Youtube falando de anos de rejeição por parte das mulheres e prometia vingança


O policial também confirmou que Elliot é o jovem em um vídeo postado no Youtube - no qual ele falava de anos de rejeição por parte das mulheres e prometia vingança. Em entrevista coletiva, Brown afirmou que este foi um "incidente caótico, complicado e que se desenvolveu rapidamente".

O policial afirmou que o suspeito tinha tido três contatos anteriores com a polícia local. Brown também informou que os três companheiros de quarto de Elliot foram encontrados mortos a facadas no apartamento do suspeito. Em seguida, o jovem saiu de carro e matou mais três pessoas a tiros.

Mais cedo, o cineasta Peter Rodger, que foi o diretor-assistente do filme "Jogos Vorazes", informou através de seu advogado que achava que o filho de 22 anos, Elliot, matou as pessoas disparando de dentro de uma BMW preta nas ruas adjacentes ao campus da Universidade da Califórnia-Santa Barbara.

O atirador morreu devido a ferimentos a bala. O advogado do cineasta Peter Rodgers, Alan Shifman, afirmou neste sábado que a família Rodger entrou em contato com a polícia a respeito de "postagens recentes no Youtube", feitas por Elliot, "que falavam de suicídio e da morte de pessoas".

O advogado afirmou ainda que o filho do cineasta sofria de Síndrome de Asperger, tinha dificuldades em fazer amigos e estava recebendo ajuda profissional para o tratamento do problema. Shifman acrescentou que a família Rodger está "devastada" e cooperando com a polícia.

Ricardo Martinez, cujo filho de 20 anos, Christopher, foi uma das vítimas, falou sobre a perda."Quando esta insanidade vai acabar?... Muitos já morreram. Deveríamos dizer para nós mesmos 'Mais nenhum'", afirmou.

Ferimentos a bala

O delegado Bill Brown disse a jornalistas ainda na sexta que a polícia estava tratando o incidente como "assassinato em massa premeditado". Os disparos ocorreram na área de Isla Vista, perto da Universidade da Califórnia-Santa Barbara. As testemunhas descreveram como uma BMW preta passou correndo pelas ruas e como os tiros foram disparados, vindos do carro.

A polícia afirma que recebeu o primeiro alerta por volta das 21h30 (horário local). Seis minutos depois, o suspeito e policiais que foram mobilizados para a região trocaram tiros. O suspeito fugiu, mas depois de uma segunda troca de tiros com a polícia, ele acabou batendo o carro contra um outro veículo estacionado.

Ele foi encontrado morto dentro da BMW com um ferimento à bala na cabeça. A polícia afirmou no sábado que é provavel que ele tenha cometido suicídio. Uma arma semiautomática foi encontrada dentro do carro.

Além dos seis mortos, outras sete pessoas foram feridas a tiros e estão internadas em hospitais locais. A Universidade da Califórnia-Santa Barbara divulgou uma declaração afirmando que está "chocada e entristecida" pelo incidente e que vários estudantes foram levados para hospitais locais.

Leia tudo sobre: EUAmassacre de Santa BarbaraCalifórnia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas