Ucrânia vive uma verdadeira guerra civil, diz Putin

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

O presidente da Rússia afirma que o caos que levou Yanukovych a sair do poder, em fevereiro, se transformou em uma guerra

O presidente russo Vladimir Putin afirmou nesta sexta-feira (23) que a Ucrânia mergulhou em uma guerra civil.

Segunda: Putin ordena retirada de parte das tropas da fronteira com Ucrânia

AP
O presidente russo Vladimir Putin durante sessão plenária do St. Petersburg International Investment Forum


Após referendo: Ucrânia aceita negociar, mas sem a presença de insurgentes

Reiterando comentários de outros líderes russos, ele disse a empresários em um evento na cidade de São Petersburgo que há caos no país desde que o presidente pró-Moscou Viktor Yanukovych foi forçado a deixar o poder na Ucrânia, em fevereiro. O caos, disse ele, deu lugar à guerra civil.

Eleições

Putin anunciou ainda que a Rússia vai reconhecer o resultado da votação presidencial da Ucrânia neste fim de semana, mas manifestou a esperança de que o país rompa a operação militar contra os separatistas, no leste.

Durante o fórum de investimento, o presidente russo disse ainda que seu país irá "respeitar a escolha do povo ucraniano" e vai trabalhar com sua nova liderança. Ele disse que a Rússia quer que a paz e a ordem sejam restauradas no país vizinho.

Em Kiev, o presidente interino ucraniano pediu aos eleitores que participem da votação crucial para "cimentar a fundação de nossa nação", mas os insurgentes pró-Rússia ainda lutam contra as forças do governo no leste da Ucrânia.

Violência

Nesta sexta, separatistas pró-Rússia armados emboscaram um comboio de forças ucranianas nesta sexta-feira perto da cidade de Donetsk, no leste do país, dois dias antes da eleição presidencial, e alguns soldados ficaram feridos, disseram fontes militares.

"Eles (os separatistas) estão usando armas automáticas, franco-atiradores e lançadores de granadas contra o batalhão", disse Semen Semenchenko, comandante de um grupo de milicianos pró-Ucrânia chamado de "batalhão da região de Donbass", em sua página do Facebook.

Pesquisa: Ucrânia é mais leal à Europa do que aos russos

Yuri Bereza, comandante de forças paramilitares pró-Ucrânia em uma região próxima, que se dirigia para o local, disse à Reuters por telefone: "Os combates ainda estão acontecendo. Nós removemos os feridos". Ele não especificou o número de vítimas.

Na quinta-feira, pelo menos 13 membros de forças ucranianas foram mortos em uma troca de tiros com separatistas armados de Donetsk, um centro industrial no qual os rebeldes proclamaram uma "república do povo" e prometeram prejudicar as eleições presidenciais de domingo.

Recuo das tropas

A Rússia declarou estar retirando as tropas e equipamentos militares das regiões que fazem fronteira com a Ucrânia, mas a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disse que uma grande “força coercitiva” continua no local.

Veja as fotos da ocupação militar russa na Ucrânia

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Presidene ucraniano: Referendo no leste da Ucrânia é passo para 'abismo'

Uma retirada de forças na divisa poderia amenizar as tensões na véspera da eleição presidencial ucraniana no domingo, que Estados Unidos e União Europeia esperam fortalecer o combativo governo central. Moscou não cumpriu promessas anteriores para retirar as tropas da fronteira com o leste da Ucrânia, onde separatistas pró-Rússia declararam independência em algumas regiões.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais veem as tropas como forças invasoras em potencial, dadas as declarações de Moscou de que tem o direito de intervir no seu vizinho ex-soviético para proteger os ucranianos falantes de russo.

Um general da Otan disse nesta quinta-feira que a Rússia está movendo as tropas, mas que a dimensão da manobra não está clara e que as forças próximas da fronteira continuam sendo uma ameaça em potencial.

“A força que permanece na fronteira é muito grande, é muito capaz e mantém uma postura muito coercitiva”, afirmou o general da Força Aérea dos EUA, Philip Breedlove, comandante aliado supremo da Otan na Europa, em uma entrevista coletiva à imprensa.

A aliança atlântica estimou o número de soldados russos na fronteira em 40 mil, mas Breedlove disse ser cedo demais para determinar o seu tamanho atual. O Ministério de Defesa russo declarou nesta quinta-feira que 15 aviões de transporte e 20 trens levando pessoal e equipamento militar saíram das províncias fronteiriças de Rostov, Belgorod e Bryansk depois de finalizar exercícios militares na região.

A pasta não revelou quantas tropas estavam sendo retiradas nem quantas permanecerão.

“A movimentação de unidades é contínua rumo às estações de embarque, agora que finalizaram os exercícios planejados e testaram o preparo militar em condições reais”, informou um comunicado do ministério.

O Pentágono confirmou algum movimento de recuo das forças russas na fronteira, mas disse se tratar de uma cifra pequena até o momento e se recusou a dar estimativas.

O embaixador dos EUA na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Daniel Baer, disse que o seu país elogiaria a retirada das tropas, mas observou que a movimentação atual não é suficiente para confirmar um recuo total das forças.

Ele ainda criticou os planos da Rússia de realizar “exercícios” aéreos perto da fronteira ucraniana em 25 de maio, mesmo dia da eleição presidencial na Ucrânia.

*Com AP e Reuters

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas