Visita acontece de sábado (24) a segunda-feira (26); Francisco visa ultrapassar conflito regional, como a guerra civil na Síria

Agência Brasil

O papa Francisco quer reforçar o diálogo inter-religioso e a reconciliação entre igrejas do Oriente, na primeira viagem à Terra Santa, e tentar ultrapassar um conflito regional que continua se agravando, segundo informações desta quinta-feira (22).

Susto: Pichações anticristãs alarmam Igreja antes da visita do papa a Jerusalém

Papa Francisco no meio da multidão na Praça São Pedro (20/04)
Reuters
Papa Francisco no meio da multidão na Praça São Pedro (20/04)

2013: Em encontro, presidente palestino convida papa Francisco para vistar Terra Santa

A guerra civil na Síria, impasse no processo de paz israelo-palestino e fortalecimento do fundamentalismo islâmico no Médio Oriente são algumas das preocupações que dominam "a peregrinação" do papa – popular nas comunidades muçulmana, judaica e cristã – a Amã, Belém e Jerusalém, de sábado (24) a segunda-feira (26).

Além de pelo menos 14 discursos e dois banhos de multidão em Belém e Amã, o papa vai participar de cerimônias nos locais mais simbólicos: no Rio Jordão, onde segundo a tradição Cristo foi batizado, na Basílica da Natividade, em Belém, no Santo Sepulcro, Esplanada das Mesquitas, Muro das Lamentações, Memorial do Yad Vashem e no Cenáculo em Jerusalém. Francisco vai ainda se encontrar com refugiados palestinos e sírios.

Um rabino e um professor muçulmano, Abraham Skorka e Omar Abbud, amigos de longa data de Buenos Aires, acompanham Francisco na visita ao berço do cristianismo. De acordo com o papa, o diálogo inter-religioso pode aproximar campos políticos irreconciliáveis e mostrar que a religião não é um fator de ódio.

A unidade entre cristãos do Oriente (católicos e ortodoxos), enfraquecidos pelas divisões até na Ucrânia, é um dos temas em destaque na quarta viagem de um papa à Terra Santa.

Em Amã, depois de ser recebido pelo rei Abdullah II, Francisco vai presidir uma missa no estádio da capital e se encontrar com 600 deficientes e refugiados, muitos oriundos da Síria.

Em Belém, depois de ser recebido pelo presidente da Autoridade Palestinia, Mahmud Abbas, um automóvel aberto vai levar Francisco à Praça da Manjedoura, para a maior missa da viagem.

À noite, já em Jerusalém, o papa vai se encontrar com os patriarcas católicos e ortodoxos na Basílica do Santo Sepulcro, onde está, de acordo com a tradição, o túmulo de Cristo, para uma oração.

No último dia, ele visita a Esplanada das Mesquitas, Cúpula do Rochedo (Grande mesquita de Jerusalém) e o Grande Conselho dos Muçulmanos, o Muro das Lamentações, onde deixará uma mensagem e. Ao cemitério do Monte Herzl (do nome do fundador do sionismo Theodor Herzl) ele levará uma coroa de flores.

O papa vai manter breves encontros com o Presidente Shimon Peres e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, quando as negociações da concordata entre o Vaticano e Israel – acordo sobre o regime fiscal e imobiliário dos bens das congregações católicas – parecem registar algum progresso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.