Coreia do Norte dispara contra navio sul-coreano perto de fronteira

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Embarcação sul-coreana não foi atingida, mas houve troca de disparos; moradores da ilha de Yeonpyeong foram para abrigos

A Coreia do Norte fez pelo menos um disparo de artilharia que caiu perto de um navio sul-coreano de patrulha ao sul da área de fronteira marítima disputada pelos dois países, nesta quinta-feira (22), mas não atingiu a embarcação, disse um oficial militar da Coreia do Sul.

Março: Enviado da Coreia do Norte diz à ONU para 'cuidar da sua vida'

AP
Coronel do Exército sul-coreano Eom Hyo-sik fala sobre disparo de projéteis pela Coreia do Norte no Mar Amarelo, no Ministério da Defesa em Seul, Coreia do Sul


2012: Coreia do Norte lança foguete com sucesso e desafia alertas internacionais

O canal de notícias YTN informou que, em resposta, a artilharia sul-coreana disparou contra uma embarcação norte-coreana. Moradores da ilha de Yeonpyeong, que fica logo ao sul da fronteira marítima em disputa, foram para abrigos antiaéreos, disse o oficial, falando sob a condição de anonimato.

A ilha foi bombardeada pela artilharia norte-coreana em 2010 e quatro pessoas morreram. Não houve mais disparos do Norte após o incidente, ocorrido logo depois das 18 horas (6 horas em Brasília), disse o oficial.

Ameaças 

Em março, a Coreia do Norte disparou 18 mísseis de curto alcance no mar ao longo da costa leste, de acordo com autoridades sul-coreanas, em uma aparente continuação aos protestos contra os contínuos exercícios militares entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul. Os mísseis voaram por 70 km antes de caírem no mar.

Analistas dizem que a Coreia do Norte está adotando uma postura menos ofensiva diante dos exercícios militares realizados na vizinha Coreia do Sul este ano porque quer melhorar suas relações com o mundo e reavivar sua economia em dificuldades.

No começo de 2013 a Coreia do Norte realizou seu terceiro teste de armas nucleares, depois de ter lançado com sucesso um foguete de longo alcance, em 2012, que os críticos dizem que visava comprovar a tecnologia para um míssil balístico intercontinental. Tanto os testes nucleares como os com mísseis de longo alcance são proibidos por sanções da ONU.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: coreia do nortecoreia do sulonuataquesmar amareloofensiva

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas