Uruguai estuda isentar maconha de impostos para minar narcotráfico

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Consultor explica que o objetivo principal do governo do país é enfraquecer o mercado negro, e não apenas gerar arrecadação

Reuters

O Uruguai vai isentar de impostos a produção e venda de maconha em uma tentativa de assegurar que os preços continuem baixos o suficiente para minar a concorrência do mercado negro do produto contrabandeado do Paraguai, de acordo com consultores que aconselham o governo no plano de legalização nesta segunda-feira (19).

Brasil: Liberação da maconha no Uruguai reacende debate sobre drogas 

Reuters
Pessoas comemoram legalização da maconha no Uruguai (12/2013)


2013: Uruguai aprova legalização do cultivo e venda da maconha

Em dezembro, Congresso aprovou lei que permite o cultivo e a venda de maconha, tornando o Uruguai o primeiro país a fazê-lo, com o objetivo de arrancar o negócio das mãos dos criminosos.

"O objetivo principal não é a arrecadação de impostos. Tudo tem que ser voltado para enfraquecer o mercado negro", disse Felix Abadi, um consultor que está desenvolvendo a estrutura tributária para a maconha no Uruguai. "Então nós temos que ter certeza de que o preço será baixo."

O Uruguai vai conceder até seis licenças para a produção de cannabis legalmente nas próximas semanas. O governo também está considerando o cultivo de maconha em um terreno controlado pelos militares para evitar o tráfico ilegal da planta.

Veja fotos da Marcha da Maconha realizada em São Paulo

Cartaz defende o uso legal da erva durante Marcha da Maconha na região da Paulista. Foto: Futura PressAtivista se veste com símbolos da erva para participar da Marcha da Maconha, em SP. Foto: Futura PressMais de 3 mil pessoas foram às ruas pela regulamentação da maconha em ato na região da Paulista. Foto: Futura PressAtivistas 'carregam' cigarro de maconha durante Marcha na região da Paulista. Foto: Futura PressManifestantes durante ato a favor do cultivo da cannabis durante Marcha da Maconha, em São Paulo. Foto: Futura PressAtivistas defendem consumo da erva durante Marcha da Maconha na região da Paulista. Foto: Futura Press

Enquanto cigarros e bebidas alcoólicas são tributados pesadamente no Uruguai, o comércio oficial da maconha irá operar virtualmente livre de impostos, disse Abadi. No Uruguai não há necessidade de um decreto ou lei para isentar um produto de impostos.

O presidente José Mujica assinou um decreto que define os detalhes da nova política neste mês. Segundo o documento, os uruguaios poderão comprar até 10 gramas de maconha por semana em farmácias, entre 85 centavos e 1 dólar por grama, um preço comparável ao do praticado no mercado negro.

País agrícola de 3,3 milhões de pessoas, o Uruguai ganhou destaque com a lei de maconha defendida por Mujica, um ex-guerrilheiro marxista de 78 anos cujo estilo de vida modesto e reflexões filosóficas fizeram dele uma estrela da mídia internacional.

Leia tudo sobre: maconha no uruguaiimpostostrafico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas