Empresas taiwanesas em zonas industriais das províncias de Binh Duong e Dong Nai foram as mais afetadas pela violência

Reuters

Milhares de vietnamitas puseram fogo em fábricas e provocaram tumulto em zonas industriais no sul do Vietnã depois de protestos contra a prospecção de petróleo por parte dos chineses em uma parte do Mar do Sul da China reivindicado pelo país, segundo autoridades noticiaram nesta quarta-feira (14).

Tensão: Ação da China em mar é 'provocadora', diz secretário de Estado dos EUA

Manifestante vietnamita participa de manifestação contra a implantação de plataforma de petróleo nas águas contestadas do Mar da China, no Vietnã (11/05)
AP
Manifestante vietnamita participa de manifestação contra a implantação de plataforma de petróleo nas águas contestadas do Mar da China, no Vietnã (11/05)


2011: Em meio a tensão com China, Vietnã faz manobras militares com EUA

Os maiores afetados parecem ter sido empresas taiwanesas nas zonas industriais nas províncias de Binh Duong e Dong Nai, já que os manifestantes confundiram essas companhias com as de propriedade de chineses. Autoridades vietnamitas não deram mais detalhes, mas informaram que os portões das fábricas foram danificados e os vidros, quebrados. A polícia disse estar investigando os fatos.

Um porta-voz do ministério de Relações Exteriores de Cingapura disse que as instalações de algumas empresas estrangeiras foram invadidas e incendiadas nas zonas industriais.

"Cerca de 19.000 trabalhadores estavam protestando contra a violação chinesa de águas territoriais do Vietnã", afirmou o vice-presidente do Comitê do Povo de Binh Duong, Tran Van Nam, a repórteres na província.

"Alguns trabalhadores ficaram revoltados, destruíram portões de empresas e entraram em suas instalações, pedindo aos outros trabalhadores que se unissem a eles em uma greve."

A Formosa Plastics Group, de Taiwan, disse que houve danos à propriedade, mas não deu detalhes. Não há informações sobre feridos.

A China alega que quase todo o Mar do Sul da China pertence ao seu território. A área é rica em depósitos de energia e uma importante passagem de navios, por onde transitam anualmente mercadorias num total de cerca de 5 trilhões de dólares. Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã reivindicam partes da área.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.