Nigéria diz estar pronta para negociar libertação das meninas raptadas

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Numa aparente mudança de postura, governo da Nigéria indica estar pronto para negociar com os militantes do Boko Haram

BBC

Na segunda-feira, o Boko Haram divulgou um vídeo que mostra 130 das vítimas recitando versos do Corão. O líder do Boko Haram, Abubakar Shekau – que havia afirmado anteriormente que poderia vender as estudantes - , disse no vídeo que as jovens sequestradas não convertidas ao Islã poderiam ser trocadas por combatentes do grupo mantidos prisioneiros pelo governo.

Emoção: Parentes identificam nigerianas em vídeo divulgado pelo Boko Haram

AFP
Especialistas americanos estão ajudando governo da Nigéria a procurar vítimas sequestrada


Assista: Boko Haram mostra sequestradas 'convertidas' ao islã

O ministro de assuntos especiais, Tanimu Turaki – que preside um grupo especial criado pelo presidente Goodluck Jonathan para chegar a um acordo com o Boko Haram –, disse ao programa da BBC Focus on Africa que se Shekau foi sincero, ele deveria então enviar representantes para se encontrar o comitê de reconciliação e negociar.

Ele afirmou que “o diálogo é uma opção chave” para levar a crise a um fim e que “um assunto dessa natureza pode ser resolvido sem violência”.

Estado de emergência

O diretor da agência de informações do governo Mike Omeri disse na segunda-feira que as autoridades usariam “qualquer tipo de ação” para libertar as vítimas, inclusive uma operação militar, com ajuda estrangeira.

Veja fotos sobre o sequestro das jovens na Nigéria

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters

Sábado: Exército nigeriano coloca duas divisões para busca de meninas sequestradas

Por sua vez, a agência de notícias da Nigéria informou que o presidente Goodluck Jonathan pediu nesta terça-feira ao Congresso que aprove a extensão por mais seis meses do estado de emergência no Estado de Borno – local onde as vítimas foram raptadas, no nordeste do país – e em dois outros Estados.

O governador de Borno, Kashim Shettima, disse que todas as jovens que aparecem no vídeo divulgado na segunda-feira foram identificadas como estudantes da Escola da cidade de Chibok que haviam sido sequestradas. Os familiares delas disseram que a maioria delas são cristãs.

Pressão

Enquanto isso cresce a pressão internacional sobre as autoridades da Nigéria para tomar providências a fim de resgatar as vítimas. Manifestações populares estão sendo realizadas em frente a representações nigerianas em diversos países.

Anistia Internacional: Exército da Nigéria ignorou aviso sobre sequestro

Os Estados Unidos afirmaram que estão realizando voos de vigilância sobre a Nigéria para tentar encontrar as garotas desaparecidas.

Uma equipe de 30 especialistas americanos – membros do FBI (polícia federal dos Estados Unidos) da Defesa e do Departamento de Estado – está no país para auxiliar autoridades nigerianas. Uma unidade contraterrorista israelense também estaria a caminho.

Leia tudo sobre: jonathansequestro na nigeriaboko haramfbieuashekau

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas