Arábia Saudita pede uso de máscaras perto de camelos para conter o vírus Mers

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

País pediu para seus cidadãos usarem máscaras e luvas ao lidar com camelos para evitar propagação do vírus mortal na região

BBC

O ministério da Agricultura aconselhou às pessoas a não entrar em contato com camelos ao menos que seja necessário e que lavem as mãos logo após tocarem os animais.

Abril: Arábia Saudita tem mais 26 casos do vírus Mers e dez mortos

Reuters
Especialistas em saúde têm se concentrado no papel do camelo como portador do Mers


Na América: EUA confirmam primeiro caso de Mers; Arábia Saudita detecta outros 25

A Arábia Saudita é, de longe, o país mais afetado pela Mers, com 133 mortes desde que o vírus foi detectado em 2012. Cerca de 500 pessoas no reino foram infectadas. O Mers, acrônimo para síndrome respiratória do Oriente Médio, também se espalhou para outros países da região.

A doença é um coronavírus, uma grande família de vírus que inclui também o resfriado comum e a Sars, síndrome respiratória aguda grave. Ela provoca febre, pneumonia e insuficiência renal.

"É aconselhável usar luvas de proteção, especialmente quando em contato no nascimento ou com (camelos) doentes ou mortos", disse o ministério da Agricultura em comunicado.

A pasta sugeriu ferver o leite de camelo e só comer carne de camelo cozida. A declaração do ministério ocorre após pesquisa de especialistas em saúde ter se concentrado no papel do camelo como um portador do vírus.

O camelo é uma parte central da vida tradicional saudita e apenas recentemente autoridades ligaram o surto da doença aos animais. Mas alguns agricultores zombaram das advertências oficiais: um deles postou um vídeo de si mesmo na Internet abraçando e beijando seus camelos, pedindo que um espirrasse em seu rosto.

Leia tudo sobre: mersdoencaarabia sauditacameloministerio da agricultura

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas