Insurgentes declaram Donetsk independente e pedem anexação à Russia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ucrânia e o Ocidente rejeitam resultado do referendo realizado no domingo; Luhansk decide não imitar ação da cidade vizinha

Insurgentes pró-russos em Donetsk, no leste da Ucrânia, declararam a região independente nesta segunda-feira (12) e pediram anexação à Rússia, um dia após a realização de um referendo organizado às pressas. Para o governo ucraniano e seus aliados ocidentais, votação viola o direito internacional.

Hoje: Separatistas no leste da Ucrânia dizem ter vencido referendo com 89%

AP
Líder insurgente Denis Pushilin, centro, caminha com seus guarda-costas após coletiva em Donetsk, Ucrânia


Ontem: Leste da Ucrânia decide futuro em referendo separatista

O Kremlin ainda não respondeu sobre o pedido de anexação, mas divulgou um comunicado no início do dia onde pediu ao governo da Ucrânia em Kiev para conversar com os rebeldes pró-Rússia no leste.

Organizadores do referendo disseram que cerca de 90% das pessoas que votaram no domingo em Donetsk e na região vizinha de Luhansk apoiaram a soberania para as áreas em expansão que se encontram ao longo da fronteira da Rússia e formam o coração industrial da Ucrânia. Donetsk tem cerca de 4,4 milhões de habitantes e Luhansk, 2,2 milhões.

Insurgentes na região de Luhansk decidiram não imitar o movimento feito pela vizinha Donetsk, mas porta-voz da cidade, Vasily Nikitin, disse que os habitantes não vão participar das eleições presidenciais marcadas para o dia 25 de maio.

O governo central da Ucrânia e do Ocidente rejeitaram completamente a votação organizada pelos insurgentes no domingo e acusou Moscou de fomentar os protestos no leste da Ucrânia, acusando os russos de tentarem anexar mais território como fizeram com a Criméia, em março - acusações que a Rússia têm negado.

Presidene ucraniano: Referendo no leste da Ucrânia é passo para 'abismo'

"A farsa que os terroristas convocaram o referendo não terá consequências legais, exceto a responsabilidade criminal por seus organizadores", disse o presidente em exercício da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, em comunicado.

O governo interino em Kiev esperava que as eleições presidenciais pudessem unificar o país por meio de uma nova liderança democraticamente escolhida. A crise da Ucrânia pode crescer ainda mais se as regiões começarem a rejeitar o voto presidencial.

Em Moscou, o escritório do presidente russo Vladimir Putin manifestou a esperança de que a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, OSCE, possa ajudar a acabar com a crise, intermediando diálogo entre o governo central e as duas províncias. A postura cautelosa - o que contrasta com a anexação rápida da Rússia da Criméia após uma votação separatista - aparentemente mostra que a Rússia apoia uma solução negociada para o que se tornou a pior crise entre a Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.

Domingo: Referendos na Ucrânia têm alta participação; UE não irá reconhecer

Segundo o Kremlin, “A aplicação prática dos resultados do referendo deve proceder de forma civilizada, sem quaisquer retrocessos à violência, por meio de um diálogo entre os representantes de Kiev, Donetsk e Luhansk."

De acordo com insurgentes pró-Rússia que organizaram votação de domingo, 89% dos eleitores em Donetsk e cerca de 96% dos que compareceram às sessões eleitorais na vizinha Luhansk optaram pela soberania. Os insurgentes disseram que mais de 70% da população votaram, mas sem observadores eleitorais internacionais era impossível confirmar essas alegações.

Veja fotos da ocupação russa na Ucrânia

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Crise: Leste da Ucrânia questiona identidade às vésperas de referendo decisivo

O comparecimento às urnas foi rápido em algumas assembleias de voto visitadas pelos jornalistas da Associated Press. Em um posto de votação em uma escola em Donetsk, todos os boletins de voto que puderem ser vistos nas urnas transparentes mostraram que a soberania havia sido assinalada.

A maioria dos oponentes a soberania provavelmente ficou longe das urnas, mas não havia sinais evidentes de intimidação abertamente pelas forças pró-Rússia armados que ocuparam prédios do governo em todo o leste do país. Pesquisas feitas por empresas de sondagens indicaram que uma maioria significativa de ucranianos gostariam de manter o país unido.

Resolução da crise

Presidente suíço Didier Burkhalter, cujo país atualmente preside a OSCE, reuniu-se com Putin na semana passada para propor um roteiro de resolução da crise ucraniana e delineou alguns dos seus planos nesta segunda-feira em Bruxelas.

"Temos visto em Moscou que há abertura para o diálogo", disse Burkhalter.

O plano inicial da OSCE é que as partes envolvidas na crise ucraniana se abstenham da violência e apelem para uma adoção imediata da lei de anistia. Ele também prevê um diálogo nacional abrangente com foco na descentralização e do status da língua russa. Burkhalter enfatizou que seria até a Ucrânia descobrir como configurar as conversações.

Ele disse que a Ucrânia aceitou proposta de nomear embaixador Wolfgang Ischinger, da Alemanha, como o co-moderador da OSCE para as negociações. Ministro das Relações Exteriores holandês, Frans Timmermans, saudou o plano, dizendo que "a OSCE nos oferece a melhor oportunidade para tentar obter uma solução diplomática para a situação."

Sexta: Putin faz primeira visita à Crimeia após anexação para celebrar o Dia da Vitória

Mantendo a pressão sobre Moscou, ministros das Relações Exteriores da União Europeia acrescentou 13 pessoas e duas empresas nesta segunda na lista de proibição de vistos e congelamento de bens, de acordo com dois funcionários que falaram sob condição de anonimato porque a medida ainda não havia sido anunciada oficialmente.

Os EUA e a UE, que proibiram as viagens e congelaram bens de membros da comitiva de Putin após a anexação da Criméia pela Rússia, advertiram que poderiam atingir setores inteiros da economia russa, caso ​​Moscou tente inviabilizar as eleições presidenciais do dia 25 de maio na Ucrânia.

O Kremlin, por sua vez, criticou as autoridades ucranianas por tentar impedir a votação, usando armas contra civis. O chanceler russo, Sergey Lavrov, disse que Moscou não vê necessidade de mais uma reunião de quatro vias entre a Rússia, os Estados Unidos, a UE e a Ucrânia na sequência de suas negociações em Genebra no mês passado, dizendo que as autoridades ucranianas devem agora concentrar-se em manter um diálogo com o leste.

Ele acusou Washington e Kiev de obstruirem os planos da OSCE e advertiu que os esforços para desarmar a crise da Ucrânia não seriam bem sucedidos sem "envolver os opositores do regime em um diálogo direto."

*Com AP

Leia tudo sobre: russia na ucraniacrise na ucraniaputinkievdonetskocidenteoscelavrovburkhalternikitinluhansk

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas