Exército nigeriano coloca duas divisões para busca de meninas sequestradas

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo do país enfrenta críticas por resposta lenta desde que militantes do Boko Haram invadiram uma escola secundária na vila de Chibok, em 14 de abril, e sequestraram as meninas

Reuters

O Exército da Nigéria colocou duas divisões para procurar pelas 200 estudantes sequestradas no mês passado por rebeldes islâmicos em um ataque condenado globalmente inclusive pela primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, neste sábado (10). Os soldados estão na região de fronteira perto de Chad, Camarões e Níger, para trabalhar com outras agências de segurança, disse o general Chris Olukolade, porta-voz da sede da Defesa.

Anistia Internacional: Exército da Nigéria ignorou aviso sobre sequestro

Leia mais: Michelle Obama condena o sequestro de jovens na Nigéria

O governo do presidente Goodluck Jonathan tem enfrentado críticas por sua resposta lenta desde que militantes do Boko Haram invadiram uma escola secundária na vila de Chibok, perto da fronteira com Camarões, em 14 de abril, e sequestraram as meninas. Cinquenta meninas escaparam, mas mais de 200 permanecem com os insurgentes.

"As instalações do Exército da Nigéria, bem como de todos os meios de comunicação da Polícia da Nigéria e todos os serviços têm se dedicado em coordenação desta pesquisa", disse Olukolade em comunicado.

"O grande desafio continua a ser o fato de que algumas das informações dadas aqui acabaram em muitas ocasiões por serem enganosa .... No entanto, isso não vai desencorajar os esforços de colaboração que estão em curso", disse ele.

AP
Jornais da Nigéria destacam a informação de que as forças militares foram avisadas quatro horas antes do sequestro das jovens em Chibok


A força aérea, uma unidade de sinais e os policiais estão envolvidos, e uma força-tarefa multinacional também foi ativada e equipamentos de vigilância foram implantados em apoio a dez equipes de busca, disse ele.

Os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China e agência de polícia internacional Interpol ofereceram assistência.

Jonathan na sexta-feira disse acreditar que as estudantes permanecem na Nigéria e que não tinham sido levadas para Camarões. Foi a primeira indicação que ele deu sobre o paradeiro das meninas.

Vídeo: Meninas contam como escaparam de sequestro coletivo na Nigéria

Quinta-feira: Ocidente envia equipes para ajudar nas buscas por sequestradas

Mais cedo a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, disse durante programa semanal de rádio do presidente Barack Obama que está "indignada" com os sequestros, reforçando oferta de ajuda dos EUA.

Leia tudo sobre: nigériaboko haramsequestro de jovens

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas