Alemanha e França se dizem prontas para sanções mais duras contra a Rússia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Merkel e Hollande dizem que adotariam medidas que afetariam áreas como energia, defesa, serviços financeiros e engenharia caso Putin atue para prejudicar as eleições ucranianas

Reuters

A Alemanha e a França estão prontas para firmar sanções mais amplas contra a Rússia, se as eleições presidenciais ucranianas planejadas para 25 de maio forem prejudicadas, afirmaram neste sábado (10) a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande.

Em comunicado conjunto, eles concordaram em adotar sanções mais duras contra a Rússia, que afetariam áreas como energia, defesa, serviços financeiros e engenharia, do que aquelas discutidas pelos líderes da União Europeia (UE) em março, em Bruxelas.

Presidente em exercício: Referendo no leste da Ucrânia é passo para 'abismo'

Leia mais: Leste da Ucrânia questiona identidade às vésperas de referendo decisivo

"Estaríamos prontos para adotar outras sanções contra a Rússia se as eleições de 25 de maio na Ucrânia fracassarem", disse Merkel em entrevista à imprensa, juntamente com Hollande, em Stralsund. Ela ressaltou, contudo, que a possível punição não seria "um fim em si mesma".

Reuters
Angela Merkel (foto) e François Hollande concordaram em adotar sanções mais duras contra Putin


A Alemanha, que depende da Rússia para 40% do seu suprimento de gás natural, tem sido vista como hesitante nas discussões para intensificar as sanções, proposta que tem a oposição de muitos alemães. Segundo a revista Stern, o crescimento do país cairia em 0,9 ponto percentual neste ano no caso de sanções mais duras.

As eleições de 25 de maio são para escolher o sucessor do presidente Viktor Yanukovich, o mandatário pró-Rússia derrubado por protestos nas ruas de Kiev. Depois da queda, Moscou anexou a região ucraniana da Crimeia, onde a maior parte da população é russa.

A resposta do Ocidente foi decretar sanções limitadas contra políticos e empresários russos vistos como envolvidos na crise ucraniana. Desde então, separatistas pró-Rússia têm desestabilizado o leste da Ucrânia, declarando repúblicas autônomas, o que o Ocidente vê como uma tentativa de Moscou de consolidar o domínio na região e prejudicar as eleições nacionais.

Merkel e Hollande fizeram um chamado para que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, intervenha para garantir que as eleições ocorram em toda a Ucrânia. Merkel disse que havia sido encorajadora a iniciativa de Putin em pedir para os militantes suspenderem um referendo sobre autonomia marcado para este domingo.

"Mas o presidente russo tem que mandar mais sinais como esse", declarou a chanceler.

Leia tudo sobre: merkelrússiaalemanhafrançaucrânia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas