Berlusconi começa a cumprir pena de serviço comunitário em asilo da Itália

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-premiê cumprirá sentença por fraude fiscal. Ele vai trabalhar no local durante quatro horas por semana em período de 1 ano

Um sombrio e silencioso Silvio Berlusconi entrou em um asilo católico nos arredores de Milão, nesta sexta-feira (9), para começar a prestar serviço comunitário como parte de uma condenação judicial com duração de um ano por fraude fiscal.

Abril: Corte condena Berlusconi a serviços comunitários para idosos por evasão fiscal

Reuters
Berlusconi deixa a Fundação Sagrada Família em Cesano Boscone, perto de Milão


Novembro: Senado italiano cassa mandato de Berlusconi

Aos 77 anos, Berlusconi, ainda o político mais influente da centro-direita italiana, teve sentença de prisão de quatro anos reduzida, em agosto passado, para a obrigação de passar quatro horas por semana no centro para idosos.

O bilionário da indústria da mídia e ex-primeiro-ministro chegou ao local na manhã desta sexta em um carro preto, vestindo seu costumeiro terno escuro. Ignorando os cerca de 200 jornalistas italianos e estrangeiros, Berlusconi deixou o guarda-costas do lado de fora ao entrar no centro Sacra Famiglia, um centro de cuidados para idosos e doentes mentais.

"Eu acho que toda essa atenção da mídia é excessiva, dado que ele não quer vir aqui porque quer ajudar as pessoas sofrendo de Alzheimer, mas sim porque foi forçado a vir", disse um homem que trabalha como voluntário no centro e disse apenas que seu nome era Mario.

A obrigação de prestar serviço comunitário não impede Berlusconi, que foi expulso do Senado italiano após a condenação, de fazer campanha por seu partido, o Força Itália, para as eleições ao Parlamento Europeu neste mês. Após completar os primeiros seis meses de serviços comunitários, a sentença de Berlusconi, de um ano, será automaticamente reduzida para 10 meses e meio.

O italiano que já ocupou por três vezes o cargo de primeiro-ministro não pode mais concorrer por causa da condenação, a primeira imposta contra ele pela mais alta corte italiana. Apesar disso, ele continua uma força política como líder do Forza Italia.

Ele foi considerado culpado de aumentar artificialmente o preço dos direitos de difusão de filmes, comprados por empresas de fachada de sua propriedade e vendidos ao seu império audiovisual Mediaset, um sistema que permitia ao grupo pagar menos impostos.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: berlusconiservico comunitarioitaliasentenca

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas