África do Sul realiza a primeira eleição da geração nascida após apartheid

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisas indicam que o Congresso Nacional Africano (CNA) prevalecerá entre eleitores; apoio é de 65%, diz o Sunday Times

Reuters

A África do Sul realiza nesta quarta-feira (7) a primeira eleição com a participação da geração nascida após o apartheid, e as pesquisas indicam que o prestígio do partido governista Congresso Nacional Africano (CNA) na luta contra o regime de minoria branca prevalecerá mesmo entre os novos eleitores.

2013: Soweto reflete avanço da África do Sul quase 20 anos após eleição de Mandela

Reuters
O arcebispo Desmond Tutu entrega a carteira de identidade a um funcionário da Comissão Eleitoral durante as eleições sul-africanas


Após 20 anos no poder: Partido de Mandela enfrenta resistência na África do Sul

As pesquisas de opinião do jornal Sunday Times ao longo dos últimos dois meses colocam o apoio ao CNA em torno de 65%, levemente abaixo dos 65,9% conquistados na eleição de 2009 que elegeu o presidente Jacob Zuma.

O apoio ao CNA surpreendeu os analistas, que um ano atrás diziam que o partido poderia penar nas urnas, já que o seu passado glorioso virou história e os eleitores se concentraram no lento crescimento econômico e na série de escândalos que caracterizaram o primeiro mandato de Zuma.

A economia mais sofisticada da África enfrentou dificuldades para se recuperar da recessão de 2009 - a sua primeira desde o fim do apartheid em 1994 - e os esforços do CNA para estimular o crescimento e lidar com os 25% de desemprego foram prejudicados por poderosos sindicatos.

O principal organismo anticorrupção do país acusou Zuma neste ano de "se beneficiar irregularmente" de uma reforma paga pelo Estado em sua casa particular em Nkandla no valor de 23 milhões de dólares, cerca de 51 milhões de reais, que incluiu uma piscina e um galinheiro.

A taxa de aprovação pessoal de Zuma caiu desde as revelações. Mas, em uma entrevista coletiva nesta semana para concluir a campanha do CNA, o líder de 72 anos minimizou as insinuações de que o imbróglio esteja prejudicando o partido.

"Não estou preocupado com (a casa em) Nkandla", disse Zuma. "O povo não está preocupado com isso. Acho que as pessoas que estão preocupadas com isso são vocês, a mídia, e a oposição".

O escândalo da reforma em sua propriedade expôs a divisão entre líderes atuais e antigos do CNA, em especial Nelson Mandela, primeiro presidente negro do país, que morreu em dezembro.

Também se tornou o grito de guerra daqueles que acham que o domínio do CNA, que inicia a sua terceira década no poder, corrompeu a alma do antigo movimento de libertação de 102 anos de existência.

"Não é necessariamente a enorme quantia paga pelo poder público o aspecto mais corrupto do caso envolvendo a propriedade rural de Zuma", afirmou o jornal Business Day em um editorial nesta semana.

"É a forma como este negócio miserável envolveu tantos outros: ministros, burocratas, autoridades de partido e, à medida que a eleição se aproxima, seguidores comuns."

De acordo com o economista do Standard Bank, Simon Freemantlede, em Johanesburgo, "no geral, a eleição é tediosamente reconfortante. Sabemos quem vai vencer e sabemos que não vai haver nenhuma mudança radical de política. Isso é reconfortante".

O rival mais próximo do CNA, a Aliança Democrática, teve apenas 16,7% dos votos em todo o país em 2009 e, embora tenha ganhado espaço, o partido ainda é visto como a casa política dos brancos privilegiados.

Em vez disso, o maior desafio veio dos ultraesquerdistas Combatentes pela Liberdade Econômica (EFF, na sigla em inglês), liderados por Julius Malema, expulso da Liga Jovem do CNA e que se espelha no ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez.

Em seu último comício em um estádio de futebol em Pretoria, Malema, que quer nacionalizar bancos e minas, além de tomar fazendas de propriedade de brancos sem pagar uma compensação, criticou tudo, desde a questão de Nkandla aos investidores estrangeiros e ex-potências coloniais.

No entanto, mesmo o surgimento do barulhento EFF não deverá ter um impacto na eleição, já que as pesquisas mostra o apoio ao movimento entre 4 e 5%. O fato é que de 1,9 milhão de jovens eleitores nascidos após o apartheid, os chamados "Nascidos Livres", com idades entre 18 e 19 anos - o principal eleitorado do EFF, apenas um em cada três está registrado para votar.

As urnas estarão abertas das 2h às 16h (horário de Brasília). A expectativa é de que os resultados já estejam disponíveis a partir do meio-dia de quinta-feira. Quase 25,4 milhões de eleitores, de uma população de 53 milhões de pessoas, se inscreveram para votar.

Leia tudo sobre: eleicoes na africa do sulmalemaeffcna

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas