Ele tinha 53 anos e estava hospitalizado após ter sido resgatado inconsciente por colegas; polícia faz mais prisões após tragédia

Um mergulhador civil envolvido nas buscas por desaparecidos após desastre com o navio sul-coreano morreu em um hospital nesta terça-feira (6).

Tragédia: Naufrágio de balsa na Coreia do Sul já soma 244 vítimas fatais

A estudante sul-coreana Park Jae-hee, de 24 anos, chora após tributo às vítimas de navio que naufragou na costa da Coreia do Sul (28/04)
AP
A estudante sul-coreana Park Jae-hee, de 24 anos, chora após tributo às vítimas de navio que naufragou na costa da Coreia do Sul (28/04)

Crime: Balsa não foi esvaziada porque o mar arrastaria as pessoas, diz capitão

Ele tinha 53 anos e estava hospitalizado desde que foi resgatado inconsciente por seus colegas em sua primeira missão subaquática nas buscas, explicou porta-voz da força-tarefa montada pelo governo, Ko Myung-seok, por meio de um comunicado. Ele foi a primeira vítima fatal entre os integrantes do grupo de resgate. 

Apesar da morte, os mergulhadores mantiveram as buscas desta terça. Autoridades acreditam que a maioria doos desaparecidos está em 64 das 111 áreas do navio. Ko afirma que mergulhadores já procuraram nesses 64 locais ao menos uma vez, mas planejam voltar para uma segunda averiguação.

Escuridão, detritos flutuantes e o labirinto de corredores e cabines a bordo têm dificultado as buscas.

Investigações

Os investigadores também fizeram as primeiras prisões de pessoas que não estavam a bordo do Sewol quando o navio afundou. Três pessoas foram presas entre sexta e domingo sob suspeita de negligência pelo grande volume de carga a bordo, de acordo com os promotores.

Veja o desespero das famílias das vítimas

Governo: Premiê da Coreia do Sul renuncia em resposta a naufrágio de balsa

Até agora foram presas 19 pessoas, 15 delas membros da tripulação, acusados de abandonar os passageiros. Um executivo ligado a Chonghaejin, empresa proprietária da balsa, foi detido por suspeita de negligência relacionada a finanças.

Segundo a investigação, a sobrecarga da balsa pode ter causado o naufrágio. O navio transportava cerca de 3.608 toneladas de carga, três vezes mais que sua capacidade. Uma balsa muito carregada pode perder o equilíbrio facilmente ao fazer uma pequena curva, por exemplo.

O naufrágio causou comoção nacional. Desde domingo, 1,1 milhões de pessoas haviam passado pelos 131 memoriais em todo o país, de acordo com um comitê de apoio funeral criado pelo governo para as vítimas da tragédia. Nesta terça, feriado nacional na Coreia do Sul pelo aniversário de Buda, mais pessoas são esperadas para visitar as estações de luto.

Segunda também foi feriado no país pelo dia das crianças, mas vários eventos foram cancelados ou adiados por causa do naufrágio. O Centro de Sejong de Artes Cênicas da prefeitura de Seul cancelou série de eventos ao ar livre e festivais de música.

Apoio

A presidente Park Geun-hye visitou cerca de 50 familiares das vítimas no domingo. “Eu também passei pela dor de perder alguém da família, então eu compreendo o que vocês estão sentindo”, declarou.

Park se referiu as mortes violentas de seus pais - Park Chung-hee, seu pai, foi ex-presidente do país entre 1963 e 1969. “Meu coração se parte só de pensar em como vocês devem estar se sentindo”, acrescentou. Na ocasião, ela prometeu que serão feitos todos os esforços para resgatar os corpos desaparecidos e para punir os responsáveis pela tragédia.

*Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.