Rebeldes e governo acertam cessar-fogo em região central da Síria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades e combatentes devem ter trégua de 24 horas para permitir que ativistas sitiados se retirem de seu último bastião

Reuters

Autoridades sírias e combatentes rebeldes concordaram com um cessar-fogo de 24 horas na Cidade Velha de Homs, na região central da Síria, nesta sexta-feira (2), para permitir que rebeldes sitiados se retirem de seu último bastião, disseram um grupo de monitoramento e canais de televisão.

Reuters
Mulher corre perto de corpos após bombas de barril lançadas por forças leais ao presidente da Síria, Bashar Al-Assad, segundo ativistas, em Aleppo (1/05)


A última retirada rebelde da cidade outrora apelidada de "capital da revolução" assinalaria um avanço militar simbólico significativo para as forças leais ao presidente Bashar al-Assad, um mês antes de sua provável reeleição como presidente.

As forças de Assad, com apoio de combatentes do grupo militante libanês Hezbollah e de atiradores xiitas do Iraque, expulsaram os rebeldes, a maioria formada por muçulmanos sunitas e jihadistas estrangeiros dos arredores de Damasco e do centro do país ao longo do último ano.

Centenas de civis foram retirados de Homs no começo desta sexta durante um cessar-fogo humanitário supervisionado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pelo Crescente Vermelho. Alimento e remédios também puderam entrar na área sitiada.

Muitos rebeldes ficaram no local, mas, cercados e com menos armas, têm poucas perspectivas de se manterem no longo prazo.

O canal de TV Al Manar, do Hezbollah, disse que os combates foram interrompidos perto do meio dia, quando o cessar-fogo entrou em vigor, e que os rebeldes teriam permissão de ir para o norte.

"O acordo estipula um cessar-fogo e uma retirada dos islamitas e outros combatentes e brigadas dos distritos sitiados de Homs rumo à província rural no norte da cidade", informou o grupo de monitoramento Observatório Sírio de Direitos Humanos. Não houve confirmação imediata de saída dos rebeldes.

Leia tudo sobre: siriacessar fogo na siriarebeldeshezbollahal assad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas