Designação inclui sanções econômicas, além das já impostas pelo embargo comercial dos Estados Unidos a Cuba

Reuters

Cuba qualificou como absurdo e manipulador o relatório anual do Departamento de Estado dos Estados Unidos que, mais uma vez, designa o país caribenho como um Estado patrocinador do terrorismo, um revés para os defensores de uma mudança na política de Washington para a ilha este ano.

Os Relatórios Anuais sobre Terrorismo divulgados pelos EUA na quarta-feira continuaram a listar Cuba, Irã, Sudão e Síria como países que "concederam repetidamente apoio a atos de terrorismo internacional". Cuba está na lista desde 1982.

A designação traz consigo sanções econômicas, além das já impostas pelo embargo comercial dos EUA a Cuba.

Pesquisa: Maioria dos norte-americanos apoia relações normais com Cuba

Os opositores da política da Guerra Fria de Washington em relação a Cuba esperavam que o país fosse sair da lista este ano, em um sinal de que o presidente dos EUA, Barack Obama, poderia querer normalizar as relações com a ilha situada a 145 quilômetros da Flórida e governada por um regime comunista.

Os defensores da mudança nutriam esperança por causa de uma pesquisa de um Conselho do Atlântico que mostrou que a maioria dos norte-americanos apoiariam a normalização das relações com Cuba.

Eles também se sentiram encorajados pela oposição do candidato a governador da Flórida Charlie Crist ao embargo e informações de que o cubano-norte-americano e magnata do açúcar Alfy Fanjul visitou Cuba para buscar a reconciliação com ex-rivais.

Uma porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que o governo não tem "nenhum plano atual" de remover Cuba da lista. Cuba afirmou que "exige" ser excluída da lista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.