China culpa extremistas religiosos por bomba em estação de trem

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atentado matou três e deixou 79 feridas, segundo o governo e a mídia estatal. Esse foi o primeiro ataque na capital em 17 anos

Reuters

Um ataque em uma estação de trem na cidade chinesa de Urumqi foi realizado por dois extremistas religiosos que morreram na explosão, informou o governo da China nesta quinta-feira (1).

Ontem: Ataque em estação de trem de Xinjiang deixa três mortos, diz governo chinês

Reuters
Policiais paramilitares fazem ronda do lado de fora da Estação Ferroviária do Sul,na China (30/04)


Quase 30 mortos: Estação de trem é alvo de ataque na China

Três pessoas morreram, incluindo os agressores, e 79 ficaram feridas em um ataque a bomba e faca na estação na quarta-feira (30), segundo o governo e a mídia estatal, com o presidente Xi Jinping se preparando para visitar a região.

O governo regional de Xinjiang disse em seu site de notícias oficial que os dois atacantes que morreram foram "influenciados por pensamentos de extremistas religiosos e participaram em atividades de extremismo religioso." A terceira pessoa que morreu era um transeunte, segundo o governo.

Xinjiang, estrategicamente localizado nas fronteiras da Ásia central e rica em recursos, tem sido assolada pela violência por anos, com o governo acusando militantes islâmicos e separatistas. Exilados e muitos grupos de direitos humanos dizem que a verdadeira causa da instabilidade são as políticas de repressão da China, incluindo restrições sobre o Islã, a cultura e a língua do povo uigur.

O ataque de quarta-feira foi o primeiro ataque na capital de Xinjiang em 17 anos. Ele ocorreu logo após a chegada de um trem da província de Han, disse a mídia estatal.

Violência

Segundo a agência de notícias Xinhua, que citou policiais como fonte, "um grupo armado com facas cortou pessoas" na saída de uma estação ferroviária em Urumqi, capital da região de Xinjiang, e detonou explosivos, na quarta-feira (30).

Fotos postadas no serviço chinês de microblogue, o Wiebo (semelhante ao Twitter), mostravam sangue em malas e destroços no chão em frente à estação. Muitas mensagens com as imagens foram depois removidas por censores.

A Xinhua informou que a estação reabriu às 21h (10h em Brasília), cerca de duas horas depois do ataque, sob forte presença policial. Quatro pessoas ficaram gravemente feridas, mas estão em condições estáveis.

Não ficou claro se o presidente Xi ainda estava em Xinjiang no momento do ataque, no fim de sua visita de quatro dias à região, durante os quais ele ressaltou a necessidade de forte policiamento para combater os "terroristas".

Em resposta ao ataque, ele disse: "A batalha para combater a violência e o terrorismo não vai permitir nem sequer um momento de relaxamento, e ações decisivas têm de ser tomadas para suprimir resolutamente o impulso desenfreado dos terroristas", informou a Xinhua.

Leia tudo sobre: chinaxinjiangataque a estacao de trem

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas