Ataque aéreo atribuído a governo sírio deixa ao menos 33 mortos em Aleppo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo testemunhas, as três bombas explodiram ao longo de uma rua movimentada de Hillok; dezenas de pessoas se feriram

Aeronaves do governo sírio atingiram um mercado movimentado de bairro controlado por rebeldes em Aleppo nesta quinta-feira (1), provocando a morte de ao menos 33, de acordo com rebeldes da oposição.

Violência: Ataque químico da Síria fez 1.429 vítimas, 426 delas crianças, dizem EUA

AP
Rebeldes sírios carregam corpo de homem que foi morto por ataque aéreo das forças governamentais em Aleppo, Síria (24/04)


2013: Número de mortos na guerra da Síria passa de 100 mil, diz ONU

Vários ativistas disseram que três bombas vindas de um helicóptero do governo foram lançadas e explodiram ao longo de uma rua movimentada pelo comércio no distrito de Hillok. Eles disseram que o ataque feriu outras dezenas de pessoas.

"Foi o caos, muitos dos corpos estão queimados", disse Hasson Abu Faisal, um ativista em Aleppo.

A base britânica do Observatório Sírio para os Direitos Humanos afirmam que os ativistas afiliados ao grupo contaram pelo menos 33 mortos no ataque desta quinta, incluindo mulheres. Outros grupos falam em 44 mortos. Após o atentado, vários decidiram se mudar para regiões vizinhas, que são menores e mais seguras, segundo ativistas.

"É uma área muito populosa", afirmou Abu Faisal. Ele disse que algumas das lojas na rua de 1,5 km vendiam combustível para geradores elétricos. Eles aparentemente pegaram fogo depois do bombardeio. Hospitais improvisados ​​na área mal podiam atender a todas as vítimas, acrescentou.

Esse é o ataque mortal mais recente do governo sobre a cidade, o maior da Síria. Aleppo foi dividido entre as forças governamentais e rebeldes há quase dois anos, com a luta constante entre eles.

Forças do presidente Bashar Assad vêm realizando ataques aéreos e soltando bombas nos distritos controladas por forças rebeldes na parte oriental da cidade, atingindo muitas vezes escolas, mesquitas e mercados. Os ataques têm aumentado nas últimas duas semanas, o que sugere que o governo estaria intensificando sua ofensiva antes das eleições presidenciais programadas para o dia 3 de junho.

Na quarta, bombardeio do governo atingiu escola em Aleppo e matou 20, 17 deles crianças, de acordo com ativistas. O ataque ocorreu enquanto professores e estudantes preparavam exposição de desenhos das crianças retratando a guerra na Síria. Na semana passada, os ataques a um mercado de vegetais lotado na cidade de Atareb, também na província de Aleppo, culminou na morte de ao menos 30.

O principal grupo de oposição sírio apoiado pelo Ocidente, a Coalizão Nacional da Síria, condenou o ataque desta quinta.

"A comunidade internacional deve tomar medidas imediatas para proteger os civis dos ataques aéreos e neutralizar aeronaves do regime, que vão regar bairros de Aleppo com barris da morte todos os dias, enquanto o mundo inteiro assiste", disse.

Também nesta quinta, confrontos entre as forças do governo sírio e combatentes da oposição mataram 14 rebeldes durante a noite ao longo de corredor estratégico entre Damasco e a fronteira libanesa. A agência de notícias estatal SANA disse que fogo sírio matou um homem e feriu dois professores nesta quinta no centro de Damasco. 

*Com AP

Leia tudo sobre: alepposiriaataque aereogovernorebeldes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas